quinta-feira, 2 de julho de 2015

A MORTE DO "GALEGO"

Mais um poema do nosso camarada Carmo Vicente...

Às vezes surgia a morte
   Nas vísceras de um camarada
       Ou na gangrena de um couto
           De uma perna decepada
               Ou no estrondo de uma mina
                   Quando o pó se dissipava...

Triste é ver um companheiro
            Ao nosso lado caindo
Acompanhar - lhe a agonia
             Da vida que vai fugindo

...Ou ver - lhe a angústia infinita
Que em seus olhos se eterniza
A esperança que se lhe esvai
Como um sopro de vida...
         ............................................................

      DO CANCIONEIRO DO NIASSA

...Tremem paredes de qualquer quartel
Gritam militares, anda tudo à bulha
E goza o major, ri - se o coronel
Com está grande merda de minas e armadilhas!...

Estou farto deles... estou farto deles!
Só mandam vir e não fazem nada!
Estou farto deles... estou farto deles!
Comem cabrito e nós feijoada!...

Fiquem bem. SANTA.
  
            

Sem comentários:

Enviar um comentário