quarta-feira, 16 de março de 2011

Dobrado o Cabo..

     ... aportámos a Lourenço Marques!

Com mais três vídeos do nosso repórter de serviço, continuamos a lembrar a nossa peregrinação. No primeiro, a passagem do Atlântico ao Índico, que nos traz Camões à lembrança: "aquele oculto e grande cabo..." (Bartolomeu Dias passou-o em 1488, e nós 480 anos mais tarde, a bordo do Vera Cruz. Para nós, ainda era o da "Boa Esperança... não adivinhávamos as "Tormentas" que nos haviam de calhar...)


Os seguintes documentam o primeiro contacto com terras de Moçambique, em Agosto de 1968. Parece que houve uma muito gentil "comissão de boas vindas" aos briosos alferes ...
Uma referência a esta tão característica Igreja de Santo António da Polana : É da autoria do Arquitecto Nuno Craveiro Lopes, filho do marechal de iguais apelidos, que foi presidente de Portugal.


 

Não me lembro de qualquer exibição de para-quedismo nessa altura, como aparece no terceiro vídeo de hoje. Será que essas imagens(e as iniciais) estão fora do contexto? Recordo-me é de uma competição de automobilismo nesse dia...
   E, já agora, uma referência às cenas com que fecha este último clip: o "espectáculo" deprimente dos passageiros do barco a atirar moedas para o pessoal da estiva. Desse lembro-me muito bem, pela repulsa que me causou.


Obrigado, Magalhães!

.

1 comentário:

  1. Manuel Magalhães24/03/11, 00:44

    Se calhar poucos se lembram, até porque a cena passou-se na zona das nossas instalações no "Vera Cruz", ou seja no camarote onde dormiam os, então, oficiais.
    Pois quando passamos na zona do Cabo de Boa Esperança, o Soares que nos ía relatando, durante a viagem, as zonas por onde íamos passando, tendo como "guia" "Os Lusíadas" de um tal Luís de Camões, nessa zona, exclamou:
    -Onde está o Adamastor? Não o vejo! Parece-me isto ser tudo inventado.......
    E, não deixava de ter alguma razão!!!!!!!!!

    ResponderEliminar