domingo, 31 de janeiro de 2010

CONTRADITÓRIO OU TALVEZ NÃO !!


Há dias atrás o nosso  amigo Soares "moderador" de grande mérito deste blog (o que seria  sem o seu  contributo?) apresentou bem a propósito, como sempre,  dois temas  fortemente carregados de nostalgia, pois é e será sempre dificil fugir ao passado por mais voltas que se lhe dê!  Como se costuma dizer: Todos os caminhos vão dar a Moçambique!  
Os dois vídeos (já removidos)  mostravam à evidência a realidade,  naquele inicio da década de 70, da linda capital moçambicana e suas gentes e culturas. Um intitulava-se "A Marrabenta" o outro  "Lourenço Marques à noite / No outro lado do tempo".
É minha intenção  deixar aqui algumas "achegas" mais  sobre tão simpáticos assuntos, conforme o referi  em comentário feito na altura.
Começaria pelo "A marrabenta" tradicional musica e dança moçambicanas.  Quem  de nós, aquando da estadia em António Enes (hoje chamado Angoche),  não andou pelos bailaricos lá para os lados do "Inguri"  a mostrar as  habilidades  de dar ao pé  agarrando,  por trás,  as  suas damas?  E, como a memória nestas coisas não costuma ser curta, quem não se lembra ainda da marrabenta  mais conhecida na época que era a  "ELISA  GOMARÀ SAIA"?  Veem como é bom recordar?  Vamos lá cantar então....  é só escolher, querem em português ou em dialecto moçambicano, chamado "ronga"?

É assim na nossa lingua:
"Eliza ué, Eliza ué, Eliza ué  gomará saia
Eliza juro  gomará saia,  Eliza juro gomará saia
Os rapazes com os bombos
E as meninas com a marrabenta"

E agora em dialecto:
"Iliza we, Iliza we, Iliza we gomara saia
Iliza juro gomara saia, Iliza juro gomara saia
Awa  rapaji ni ma bomba
Awa  minina mi ma  rabenta".

Esta canção, de certo modo, deixou de ser moçambicana e ultrapassou fronteiras entrando  pela África adentro e que tanto prazer nos dá guardá-la e dançá-la, como se fosse nossa!







A seguir à musica vai a lição de dança. Aqui está o vosso amigo a dançar uma "marrabenta"!!
    












Passemos agora para o outro tema "Lourenço Marques à noite".
É sempre bom olharmos para trás e constatarmos, como diz a canção do Vinicius de Moraes : "O Rio de Janeiro continua lindo"!
Infelizmente não é o caso e "Maputo (ex-Lourenço Marques) não continua lindo!
Este vídeo mostra-nos a cidade em todo o seu esplendor de dia e de noite, que nos deixa algo surpreendidos até, se a comparar-mos com a Lisboa desse tempo!
Após o nosso regresso  à "metrópole", voltei de novo àquele país em 1994 e a partir daí até ao ano 2002, devido aos afazeres profissionais, anualmente lá  me deslocava uma  ou duas vezes. Na primeira vez lembro-me bem da enorme desilusão que senti ao olhar para aquela cidade degradada e mal tratada que nada tinha a ver com a belissima cidade, limpa,  organizada e  segura que conheci bem, pois lá passei 1 mês de férias em casa de familiares, ao fim de 1 ano de "guerra" em Lione.
Mas ano após ano, por força das circunstâncias, tive mesmo de me adaptar e saber conviver com a realidade.
Como acima dizia, relativamente ao que o vídeo foca daquele tempo e que nos deslumbra, falemos, então, da actualidade, pelo menos do ano de 2008 (ultyima vez que lá estive).
Por exemplo:  Na avenida principal  da cidade (hoje chamada Av. 25 de Setembro) que era tão frequentada, existiam aqueles dois cafés/restaurantes com as famosas esplanadas, o Continental e em frente o Scala com o excelente cinema. Bons momentos lá passei em boas companhias!  Hoje o Scala desapareceu e deu lugar a ruínas e o Continental  ainda existe algo moribundo.
Aliás, o melhor termo para se aplicar será dizer: É uma cidade, em alguns sitios, principalmente onde mora a maioria da população mais pobre, algo moribunda!
Mas, continuando a reviver as passagens do vídeo: o  Zambi, restaurante em frente à marginal,  com um lindo jardim à entrada, já foi discoteca e agora voltou de novo a ser restaurante.
E quanto à célebre Rua Araujo, onde se localizavam os melhores "cabarets" e "boites". As noites de magia, assim diz o vídeo, e eu corroboro.  Realmente, mais parecia uma pequena "Las Vegas".   Hoje,  práticamente só resta o  célebre "Luso", velho, degradado, tresandando a álcool,  e mal frequentado. 
E a "Cave", para mim o melhor "cabaret", com um gosto algo requintado. Tantas noites bem divertidas que passei. Lá travei conhecimento com algumas lindas "moçoilas" que iam dos saturados bares de Lisboa  atraídas pelo El Dourado! 
Vimos também o "Sheik" com toda a sua enorme classe  e como se comia tão bem. Hoje, lá continua, e talvez por ser numa zona considerada nobre, zona do Hotel Polana, só oferece a quem lá vai práticamente "marrabenta", álcool e prostituição! E estou a falar talvez do mais importante!
E o "cacilheiro" que atravessa a baía e que  vai de Maputo para o Catembe, são os mesmos do nosso tempo. Milagre conseguirem ainda transportar aqueles milhares diariamente. Fiz a experiencia e senti-me  verdadeiramente em África!

Saindo  do video de 1970 e voltando novamente  à actualidade, há que dizer que em algumas zonas importantes, nobres,  a cidade   ainda mantem,  a decência obrigatória duma capital que forçosamente recebe muitos visitantes, principalmente empresários e politicos.  Existem bons hotéis (caros)  e ultimamente foram construídos  dois centros comerciais e umas tantas construções de zonas residenciais, o que dá à cidade um aspecto mais desenvolvido.
O país está aberto ao exterior e Portugal lá mantém ainda interesses desde a banca até à construção. Em meu entender Portugal devia fazer e investir muito mais. As afinidades que temos com aquele povo nunca se apagarão e até para isso o futebol contribui com enorme percentagem!  Os nossos politicos deviam piscar o olho para aquelas bandas!
Para mim o melhor mesmo é aquele povo único, habituado a sofrer desde que nasce, não nos esquecem,  apreciam-nos, respeitam-nos e estimam-nos.   Têm tb. um capital importante, são os  estudantes universitários que são politicamente esclarecidos, sabem o que querem e o que não querem!  Acredito que vão ser eles que irão contribuir e fazer um país bem melhor.
Pena é que Moçambique, assim como quase toda a África (parece um castigo) não tenha politicos mais competentes e idóneos.  
Há concerteza  ali  o sindroma do  "défice democrático" !!
Apesar de tudo isso, é um país que eu aprendi a apreciar, a gostar e a respeitar no seu todo. Bons amigos  do dia a dia que por lá mantenho, que bem me conhecem,  e que aceitam e comungam destas minhas ideias. 

Abaixo, as fotos dão uma pequena amostra do que disse:





Aqui se verifica a degradação a que são votados os prédios na grande maioria das zonas daquela cidade. Garanto que é uma zona importante, próximo dum Hotel de 4 estrelas!





                 E aqui uma pequena amostra
                 de que os bons hotéis também
                 existem!       
   
                           
                                                                                                                                     




 E os bons restaurantes também! Apesar do óptimo marisco, por aquelas paragens,  já comi melhor "arroz de marisco" em Portugal!

5 comentários:

  1. Olá Artur. Gostei deste teu texto e na descrição que ele contem. Na dança só gostáva de saber quem é que ensina quém!!De resto é o que tu já nos habituas-te.

    Boa continuação, um abraço do Santa

    ResponderEliminar
  2. Amigo Castro
    Já constatei que estamos em presença dum bom conhecedor de Moçambique, não só sobre os aspectos políticos, sociais e económicos, mas também sobre a vivência nocturna nos principais centros urbanos.
    Quanto ao resto, estamos em presença dos reflexos da democracia, que em muitso casos é sinónimo de anarquia.
    Ali, como na maior parte dos países ditos democráticos, imperam os governantes charlatões, que em proveito próprio e apoiados por grandes grupos económicos dominam os grupos servientes que implantam a sua dita "democracia".
    É pena que seja assim, mas esta é a triste realidade.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  3. Amigo Castro
    Excelente a descrição do actual Moçambique,não só no aspecto político-económico como também na análise que faz dos naturais de cá . Eu sei que o meu amigo é um profundo conhecedor destas paragens, não só pelas frequentes exposições na Facim, mas também pelos laços afectivos que o une a este País. É verdade que Maputo ainda apresenta,em alguns pontos da cidade um aspecto desolador, com ruas esboracadas e edifícios degradados,mas também é justo dizer que se nota uma melhoria nas zonas mais nobres do burgo. Olhe, até a Rua Araújo está a regressar aos tempos aureos da Colónia com o ressurgimento dos cabarets do antigamente e de um ou outro restaurante de boa qualidade. Como sabe eu vivo em Nampula e noto melhorias sempre que vou a Maputo.
    E por falar em Nampula, vi no vosso blog que a vossa Companhia andou nas guerras de Angoche,Ilha, Liupo, Mogincual,etc, zonas que, pela minha actividade profissional muito bem conheço. É claro que nada resta da beleza do antigamente, a não ser que se considerem as ruínas existentes uns achados arqueológicos.Em Lione também já passei algumas vezes, a caminho de Lichinga, mas não tenho uma visão exacta daquilo que era. Quando por lá passar tirarei umas fotos para serem publicadas no vosso blog.
    Um abraço do amigo
    João Gonçalves,Ex-Alf. Mil.da C.Caç.2470 (de 69 a 71,Fingoé-Tete, Alto Molocué, Gilé, Catembe e Inhambane)e residente em Nampula.

    P.S. Posso testemunhar que o Castro é um óptimo dançarino da Marrabenta, e é ele que está a mostrar como se dança!!!!!

    ResponderEliminar
  4. João Gonçalves16/02/10, 09:33

    Amigo Castro
    Muito boa a descrição sobre o actual Moçambique. Mas felizmente que nem tudo é mau.Temos boas praias,bom peixe e marisco,cervejas Laurentina e 2M e a famosa Marrabenta que o meu amigo tão bem sabe dançar (eu vi no Bar & Bar a marrabentar com a Telma).
    Um abraço de Nampula.
    João Gonçalves(ex-C.CAÇ.2470)

    ResponderEliminar
  5. Amigo Castro
    Tenho tentado, em vão, enviar um comentário ao seu artigo aqui publicado. Será porque a Internet em Moçambique está ainda a milhas da qualidade europeia? Não percebo o motivo mas vou tentar outra vez.
    O blog está muito interessante e bastante participativo. Relativamente ao seu escrito, estou plenamente de acordo sobre a comparação que faz relativamente a Maputo versus Lourenço Marques. Eu costumo dizer que os Tugas levaram 500 anos para construir um País e os Moçambicanos levaram 10 anos para o destruir.
    Mas, felizmente, nem tudo está mal. As praias continuam belas,os mariscos abundam e a marrabenta, quando acompanhada com uma 2M ou laurentina, continua a animar os fins de semana.
    Tenho tido oportunidade de passar por algumas das localidades onde a vossa Companhia esteve, nomeadamente Angoche, Liupo, Mogincual, a Ilha e até Lione no Niassa. Quando voltar a essas paragens tirarei umas fotos para aqui serem publicadas.
    Um abraço de Moçambique
    João Gonçalves

    ResponderEliminar