quarta-feira, 22 de março de 2017

MUNDO DESCONHECIDO...

Mundo, já ninguém te conhece?

Eu tento lembrar-me de ti,
Mas, se me lembrei, já te esqueci,
E quero voltar a recordar-te, mas não consigo.
...............................................
Já não sabes de ti, propriamente,
Já nem sabes, em que ano nasceste,
Nem quais os caminhos, que já percorresse,
E menos ainda, o caminho certo, para seguires em frente.
..................................................
A tua forma de ser, provoca algum nervosismo,
Em certo aspecto, tu sabes demais,
Mas por vezes, perdes-te na linha, e ficas sem saber onde vais,
Quando te aperceber, estás caído num abismo.
..................................................
Tu tens amor ao próximo, mas muito baralhado,
Nem sequer, dá para se compreender,
Porque às vezes, trocas o caminho, que devia percorrer,
E nem te aperceber, que enveredaste por um caminho errado...
...................................................
As tuas ideias, resolveram mudar de sítio,
Ficaste virado, com cabeça para os pés,
Às vezes, queres disfarçar-te, e pássaros por aquilo que não és,
Fazendo uma ultrapassagem, que te faz cair num precipício.
.....................................................
Muitos dos teus homens, estão a brincar às escondidas,
São procurados, mas pela polícia,
Desculpam-se, que no seu comportamento, não há malícia,
Mas esquecem-se, que o seu gozo, deixou as vítimas feridas.
.......................................................
Tudo o que é mal feito, está na moda,
A triste criminalidade, avança,
Faz-se aquilo que dá na Gana, à pobre criança,
E até se envenena, a sopa da sogra!...
.........................................................

Mais uma poesia da nossa já conhecida, Maria Irene  Nunes.
Está poesia, até se pode enquadrar um pouco nos tempos de hoje. Depois das imagens que acabei de ver na televisão sobre o que aconteceu em Londres, bem pode dizer-se "que o mundo está virado, com a cabeça para os pés".

                      Para todos, um abraço. SANTA.
 

domingo, 19 de março de 2017

A IDADE CONTA...

Pois é. A idade, é uma coisa que em nós avança sem que possamos fazer alguma coisa. É sobre a idade, ou por outra, a velhice, que eu hoje escolhi este poema da nossa já conhecida Maria Irene com o titulo: "VELHICE IMPACIENTE."

A velhice, chega impaciente,
Porque em cada dia, se acha diferente,
A idade, avança, e chegam as confusões,
Porque a velhice, não quer contradições.

Se alguém contrariar a velhice,
Já sabe que vai ter chatice,
Se é jovem, cuidado! Que com a velhice se encontra,
Não diga nada, senão, mais tarde dá bronca.

Com a velhice, tudo vai fraquejando,
O ouvido, vai deixando de ouvir,
As forças, começam a cair,
E o fim, vai se aproximando.

O que é a velhice?

Velhice, é o sinal da saudade,
Que fica marcado, ao distanciar-se, da sua mocidade,
E cada vez, acha mais longa, a sua existência,
Até ao ponto de pensar, que viver, é uma penitência.

                                                         De Maria Irene Pereira Lopes


      Neste fim de dia, cinzento e frio, daqui mando um abraço para todos.

                                               SANTA



quinta-feira, 16 de março de 2017

O ZUMBIR DAS ABELHAS...

O zunbir das abelhas é mais um poema de Maria Irene Pereira Lopes.

As abelhas, esses valiosos insetos,
Que são tratados, por alguns homens, com muitos afectos,
Dão o doce mel, para o delicioso xarope,
Mas, as suas amargas picadas, fazem alguém , andar a galope.

Quando o seu zumbir, apresenta uma voz esganiçada,
É sinal que temos de nos prevenir,
E o melhor que podemos fazer, é fugir,
Quando não, já sabemos que levamos picada...

A sua morada, em tradição antiga, é feita de cortiça
O seu telhado, é seguro com pregos de madeira,
Que foram feitos no inverno, ao serão, ao calor da fogueira.

As abelhas, deliciam-se, com perfume das flores,
Carregando nas patas, o seu suco de cores,
Andam quilómetros e quilómetros, a voar,
Para esse ingrediente, no seu celeiro ir colocar.

Quando a sua casa, ficar mesmo cheia,
Então, terão que sair, para fora da colmeia,
Formam um grupo, e toca a voar,
Combinam-se todas, e um enxame vão formar,
E ficam à disposição, de quem as quer apanhar,
Mas, com a intenção, de uma picada lhe dar...




Até á próxima. Um abraço
SANTA







domingo, 12 de março de 2017

A GUERRA AINDA NÃO ACABOU...

Algum tempo atrás, escrevi um artigo no nosso blog com titulo: " A guerra ainda não acabou! " Pois é. Muita gente pensa o contrário. Ela acabou. Passou á história. Mas não é tão fácil assim, ela desaparecer da vida de quem combateu, daqueles que ficaram deficientes para toda a vida, daqueles que viram diante dos seus olhos camaradas morrerem e outras situações horríveis. Como esquecer? É impossível. A guerra só acabará, quando morrer o último combatente. Mesmo assim, aquelas que ficaram viúvas e as que vão ficar não a esquecerão. A memória não pode ser tão curta. Aquelas mães,esposas, noivas e namoradas que nunca mais os voltaram a ver para fazer luto, que ficaram lá enterrados de qualquer maneira, já esqueceram?
Tudo isto, bem a propósito, do nosso camarada António Calvinho (que tão bem conhecem do nosso blog pelas poesias de guerra) ter á poucos dias sido amputado de uma perna devido ainda aos ferimentos de guerra. Para quem não sabe, ele foi ferido pelo rebentamento de uma mina incendiária (de fósforo) tendo sofrido graves ferimentos no corpo principalmente nos membros inferiores. Ao seu lado, morreu o capitão Valente. Tudo isto, perto de Metangula (Niassa). Como Alferes, foi comandado por Ramalho Eanes (então Capitão) É aqui que o cenário do texto muda. Ramalho Eanes não se esqueceu do homem que esteve sob o seu comando e foi visitá-lo ao Lar Militar  visitando ainda todos aqueles que lá se encontram.
Obrigado Senhor General Ramalho Eanes. Homem como o senhor, hoje, existem poucos.Obrigado por estar sempre desde a primeira hora ao lado de quem combateu e ao lado daqueles que ficaram deficientes. E aqui, a A.D.F.A está-lhe grato por tudo que tem feito. Devia ser um exemplo a seguir por outros!
O nosso blog, não podia ficar indiferente ao sucedido. Daqui, os camaradas da Companhia de Cavalaria 2415, que esteve também em Moçambique no Niassa, lhe prestam esta homenagem dizendo: Obrigado Sr. General Ramalho Eanes por estar sempre ao lado de todos aqueles que sofreram na pele uma guerra injusta. A SOLIDARIEDADE E A AMIZADE são duas coisas que muita gente não entende, mas bem hajam aqueles que a ainda a cultivam e não as deixam morrer.
 Daqui do nosso blog, camarada Calvinho, tu que lutaste tanto para que hoje exista a A.D.F.A.todos nós te enviamos um grande abraço e com os votos sinceros de rápidas melhores.

      

Alguém disse:

"OS VERDADEIRO AMIGOS
NOS FAZEM SENTIR QUE NÃO
IMPORTA O PROBLEMA QUE
TENHAMOS QUE ENFRENTAR,
ELES SEMPRE ESTARÃO AO NOSSO LADO."


Daqui, mando um grande abraço para todos. SANTA.

sexta-feira, 10 de março de 2017

DESTAQUE...

É mesmo em destaque.
Ao nosso camarada e amigo Alferes Magalhães, os camaradas da 2415, desejam-te as rápidas melhores e que o pior já tenha passado. Esperamos todos por ti em Maio para comer o apetitoso Leitão.
                
      UM GRANDE ABRAÇO DE TODOS E AS MELHORAS RÁPIDAS
=====================================================

quarta-feira, 8 de março de 2017

Madagascar no N/M "Pátria"


Numa destas ultimas tardes invernosas de domingo estava eu com o meu filhote ao colo a ver na Tv um filme animado chamado "Madagascar". Para os que não sabem do que se trata, a imagem acima logo identifica o assunto mas, ao fim e ao cabo, é sobre as gozadas aventuras daqueles quatro animaizinhos com predominância para a simpática zebra.
Acontece que, enquanto olhava as divertidas imagens saltou-me à memória uma "aventura" também com zebras e acontecida durante a nossa estadia/regresso de Moçambique.

Em Nov.69 estávamos nós em Tenente Valadim e era hábito do Batalhão contratar caçadores nativos da aldeia a quem compravam os animais que abatiam, aliás, de boa qualidade de carne, para matar a fome ao pessoal. Lamentávelmente essa qualidade era desperdiçada pelos "Chefs" aquando da sua confecção. Mas o que importava, acima de tudo, era o estômago aconchegado! (Prometo ainda um dia aqui contar algo semelhante sobre a melhor maneira de tratar a arte da culinária pelos nossos "profissionais" em Lione).

Um dia os ditos caçadores vieram fornecer ao Batalhão um boi-cavalo (como lhe chamavam) e duas zebras. Logo ali, no átrio em frente à cozinha, as desmancharam sem desperdício das peles.
Abeirei-me deles para as comprar ao que acederam de bom grado, pois não era hábito ninguém se interessar por peles mas sim por carne.
Pedi-lhes para as limparem e secarem o melhor possível, pois tinham como missão seguirem viagem quando chegasse a hora. Assim o fizeram e, após algum tempo entregaram-mas, no seu entender, em bom estado de conservação, já enroladas e atadas para a prometida viagem transatlântica que se avizinhava.


(Uma das "zebras" durante a secagem na aldeia em Tenente Valadim. Fazia parte do sonho de quase todos nós que era "sonhar" com a decoração a dois, após o regresso,  da futura casa dos sonhos).





(Aqui as "zebras" já enroladas e atadas com o Cabrita sentado em cima e o falecido Fuzeta logo atrás. Ao lado, protegido pela G3 (a FBP já era!) a minha pessoa, com aspecto cansado. Que me perdoe o soldado de Cavalaria mais atrás por já não lembrar o seu nome. E, ao fundo à direita, na pose habitual de mãos à cintura, o falecido Conde (amanuense) junto do chefe do Moreira do GRC-9, o Sr. Afonso, limpando as unhas!
Foi em Fev.70 na estação de Nova Guarda, enquanto esperávamos o comboio para Nampula. O destino seria o "resort" de António Enes).

Entretanto, estabeleceu-se uma confusão por causa da data do regresso, um dia era o Niassa noutro dia logo se vê. O atrazo, quanto a mim, tinha a ver com a falta de barcos uma vez que aquele que estava destinado a levar-nos de volta teve uma avaria, e daí a oferta de última hora do "resort" por mais alguns  poucos meses.

Enquanto isso, as "zebras" enroladas continuavam expostas também ao sol de Angoche (A.Enes) e, nessa altura, detectei um odor algo desagradável que exalavam, mas logo virei costas ao problema. A vida bem gozada na cidade não deixava tempo para preocupações.

Por fim chegou o tão ansiado dia do regresso e logo dei prioridade ao dito rolo. Dentro do "Patria" as instalações que me calharam em sorte foi na parte mais funda do porão, quase dentro do duplo-fundo. Como quase todos conhecemos, era um enorme espaço com beliches de madeira virados para todos os lados.
Acondicionei a "carga" o melhor possível debaixo dum beliche e fiz-me ao mar, tentando distrair-me, vez em quando, com uma "lerpa" jogada em cima de caixotes de boa madeira (digo eu, agora, se calhar "sucupira" ou outra), compridos e rectangulares, que a malta ia buscar num canto onde estavam amontoados e que também serviam para nos sentarmos.
Mais tarde, já após a chegada, constou-me que dentro desses caixotes vinham as urnas com os corpos daqueles que tinham falecido durante a missão.
Se sim ou não, ainda hoje não tenho certeza, mas que até faz muito sentido, lá isso faz!

Ao dobrarmos o Cabo das Tormentas, saindo do Indico para entrar no Atlântico, com Capetown à vista, lembro-me que o barco foi bastante fustigado com o mau tempo obrigando-o a adornar a EB e BB, forte e feio.
E, foi isso, que logo pôs a malta quase toda a "gritar pelo gregório". Quem habitava nos fundos, nem tempo tinha para chegar ao varandim do 1º convés, logo ali despejava tudo o que tinha e o que não tinha!

Entretanto, a viagem seguia já com uns poucos de dias e o cheiro das "zebras" enroladas debaixo do beliche tornou-se muito desagradável e, fosse ou não, porque os estômagos e narizes da malta ficou mais sensível por causa dos enjôos sofridos, o que sei é que os meus "vizinhos" (já não sei quem eram) fizeram-me um ultimato:  Tens de tirar esta merda daqui, pois isto deita um fedor que tresanda.
Ainda resisti durante algum tempo, explicando-lhes o inexplicável, enquanto pensava na melhor forma de resolver o assunto.
Se, por acaso, já estivéssemos com o Forte de S.Julião da Barra à vista, acho que ainda aguentava mas, assim, com o horizonte alfacinha ainda tão longínquo, não me ocorria nenhuma solução a contento.
Mas, acontece, que nem me deram tempo para os acalmar, logo arrastaram o rolo debaixo do beliche e o cheiro, acreditem ainda me lembro, era mesmo insuportável.
Acho que com a ajuda de alguém, só podia ser, continuo a não me lembrar de quem, lá conseguimos subir até ao convés com as duas "zebras" mal cheirosas às costas. E, sem solução, nem sequer me interessei por ver os seus estados de saúde.
Despedi-me delas e, com um funeral digno, foram atiradas ao oceano!

Como qualquer história (esta sendo verídica)  também tem uma moral: "Os inteligentes são algo estúpidos!






HOJE DIA DA MULHER...

Pois é. Hoje dia da mulher, o nosso blog não podia ficar indiferente àquelas que nos têm aturado este tempo todo. Nada melhor que publicar no nosso blog, um artigo que veio no nosso jornal "O ELO" da autoria dos nossos camaradas José Diniz e Rafael Vicente. É uma maneira do nosso blog também lhes prestar homenagem.





Para todas as mulheres, um grande beijinho da malta da 2415. SANTA.

domingo, 5 de março de 2017

INSTRUÇÃO TOTAL...

A criança ao nascer,
Começa logo aprender,
A palavra pequenina,
Começa por pai e mãe,
Pelos avós também,
E a seguir pela madrinha.
...........................................
Ao dar os primeiros passos,
Aí, começam os fracassos,
Sem equilíbrio cai ao chão,
Mais alguns meses passados,
E mais uns passos mal dados,
E já sai um palavrão...
..................................................
Quando entra na escola primária,
Sua tarefa diária,
Já tem a instrução total,
Aí, começa aprender,
Tudo o que ouve dizer,
Seja bem, ou seja mal.
............................................
Em certa fase do ensino,
Ou seja menina ou menino,
O que lhe ensinarem, aceita,
E como coisa natural,
Recebe a instrução total,
Até, de como foi feita...
............................................
E ao fim de alguns anos de estudo,
Está preparada em tudo,
Para o que lhe apetece fazer,
Só não lhe foi ensinado,
Que pode ter como resultado,
Uma vida para sofrer...
          ...........,...
    Hoje, num domingo chuvoso, mal encarado, eu me despeço que o dia de amanhã venha mais bonito que o de hoje. Um abraço para todos.SANTA.

quinta-feira, 2 de março de 2017

QUANDO OS PASSARINHOS CANTAM...

Quando os passarinhos cantam, eu choro,
Mas que não se zanguem comigo, porque eu os adoro,
A sua voz, ao cair da noite, faz-me lembrar alguém que já não existe,
Por isso o seu cantar, me deixa ainda mais triste,

Quando ouço o som da sua voz, sair do meio do deserto,
Mantenho o silêncio, para sentir tudo mais de perto,
Então, novo no passarinho, uma voz enternecida,
Pensando talvez, por quem vai ser ouvida?
Será por alguém, que se considera um passarinho perdido,
Ou será por alguém, para que a vida já não faz sentido?

Será talvez, um passarinho, que eu penso que canta, e ele chora,
Procurando o filhinho, que saiu do ninho, e foi embora,
Cheio de mágoa, procura no deserto,
E aí, larga a sua voz, mas a solidão, cada vez está mais perto...

                                                          Maria Irene Nunes Pereira Lopes

           (Continua)
                                             Um abraço. SANTA.

domingo, 26 de fevereiro de 2017

ACHADO...

Andando eu a remexer numas caixas que tinha guardado numa dispensa, encontrei um livro de poemas que sinceramente não me recordo como me veio parar ás mãos! O titulo do livro é: Manta de Retalhos ...com...de tudo um pouco. Mas, o engraçado, é que nunca o li, mas agora vejo que tem poesias engraçadas e com certeza, desconhecida de muitas pessoas. Julgo eu! Sendo assim, vou transcever algumas para o nosso blog.

Então aqui vai. "SARDINHA À MODA ANTIGA"

Comprava-se a sardinha,
Guardava-se no armário.
Num prato ou numa escudela,
Era o sustento diário,
Mas a última, era comida,
Quando já era amarela...

Comia-se sardinha boa,
Quando se comprava na feira,
Assada e comida com broa,
Era sardinha à maneira.

Enquanto feira não havia,
Ia-se comprando à porta,
Às vezes só Deus sabia,
Quanto tempo, tinha de morta!...

O peixeiro era inteligente,
Lavava bem, a sardinha,
Para poder dizer ao cliente,
Que ela era fresquinha...

Mesmo assim ninguém dizia:
Esta sardinha não presta!!...
Com a fome que havia,
Aquilo, era uma festa...

Mas, onde havia garotada,
Aí o caso era feio,
A sardinha não chegava,
Era partida ao meio.

Então aí, é que era a confusão,
Todos queriam o rabo, a cabeça é que não.....
E aqueles que faziam gato-sapato,
Não comiam nada...
E a cabeça ia pró gato!!...

                                          Quem é a autora? Maria Irene Nunes Pereira Lopes.

  Para a próxima, irão ler outras poesias dela, bem engraçadas.

    Espero que se divirtam no Carnaval. Para todos um grande abraço.

                                             SANTA






quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

O VINHO...

O vinho, que toda a gente conhece, parecendo que não, é uma bebida saudável desde que seja bebida com moderação. Sendo assim, aqui vai outra poesia do nosso amigo Carlos Silva em que fala do dito...

" O VINHO QUER É MÚSICA"

Se o vinho não fosse importante
   Não tinha zona marcada
  Ai o verde de Amarante
Só quer leitão da bairrada

Ó vinhas que eu caminhei
    Da sepa até ao lagar
Que vos fizeram não sei
Nem uma para recordar

O vinho aqui de Leiria
  É história de tradição
Tão bem que me conhecia
 Pregou comigo no chão

  Fui baptizado com água
Bem podia ser com vinho
Quem não afoga essa mágoa
 É o senhor meu padrinho

Aprendi com a vinha bem cedo
  A tratá-la sempre com amor
Por isso o vinho que eu bebo
  Às vezes me sabe a suor

  Bebe-se vinho nos mares
   E nas tascas de Lisboa
Também agora nos bares
 Assim é que a vida é boa

   As sardinhas em Lisboa
   Pelos Santos Populares
Nem Santo António perdoa
Se com vinho as não regares

   Ó Évora terra bela
D`adega Cartuxa saíste
Ficaram os frades com ela
e a gente aqui que se lixe

Amigos tudo o que eu quero
 Aqui juntinho ao Degebe
  É dar ao pé no Bolero
E mais um copo que se bebe.

                                          CARLOS SILA



          Já agora: A vida é como o vinho: se a quisermos saborear bem, não devemos bebê-la até á última gota.

                              "George Lord Byron"

E é assim. Mais um poema do nosso amigo da 2415, passado para o blog no dia da "Poeirada"que nos aborreceu quase o dia todo! São coisas...

                 Um abraço para todos e um bom Carnaval (para quem gosta)!!!
                                                          
                                                       SANTA


domingo, 19 de fevereiro de 2017

REBUSCANDO CARLOS SILVA...

Sim. Rebuscando mais alguma poesia do nosso camarada Carlos Silva.

" A CANÇÃO QUE TE DESCREVE"

A canção que te descreve
Fui eu que a inventei
A sorte nada me deve
Vida em ti encontrei

Tenho beijos a voar
Da minha boca para a tua
Em teus lábios irão pousar
Assim que saias à rua

São tantos os meus desejos
Que dão pra ter e para dar
Pra mim corressem teus beijos
Como os rios correm pró mar

Meus dedos entrelaçados
Nos teus cabelos a deslizar
Os meus olhos fixados
No brilho do teu olhar

Inspirado no teu sorriso
Um romance comecei
Do acabar o que preciso 
É de ser amado como eu te amei.

                                              CARLOS SILVA
  (continua)

Hoje neste dia bonito, (Domingo) ao sol estou. Agora parecendo que ele se está para ir embora, também do blog me vou.
   
                                                       Despeço-me por hoje com um abraço. SANTA.

                                               

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

CURIOSIDADES...

Estando eu no Centro Cirúrgico de Coimbra, li numa revista algo que vou partilhar com todos no nosso blog...

Aqui vai...

   "VOCÊS RIEM DE MIM
POR EU SER DIFERENTE,
     E EU RIO DE VOCÊS
POR SEREM TODOS IGUAIS"

                      Bob  Marley

"OS VALORES SÃO COMO
AS IMPRESSÕES DIGITAIS.
NINGUÉM TEM OS MESMOS
MAS DEIXAMO - LOS EM TUDO
       QUE FAZEMOS".
     
                    Elvis Presley

   "DEIXÁMOS DE ESCUTAR
AS VOZES QUE SÃO DIFERENTES,
OS SILÊNCIOS QUE SÃO DIVERSOS".

                       Mia Couto

É AQUILO QUE FAZEMOS DO QUE TEMOS
       E NÃO O QUE NOS FOI DADO
QUE DISTINGUE UMA PESSOA DA OUTRA.

                                Nelson Mandela

                         "Tenho dias.
Tenho dias em que acredito que o comportamento dos homens,
                             um por um,
                         Vai - se modificar
             mas tenho outros dias em que vejo que o homem
             está caminhando inevitavelmente para o seu fim
                           e que tudo isto,
             se tiver alguma interpretação futura,
poderíamos dizer que este bocado do universo a quem chamam terra,
                             foi habitada por homens,
alguns dos quais viveram uma relação estrita com um homem que era Deus,
                mas, porque não tirou aos homens a liberdade,
                                está a assistir agora à sua destruição".

                                      António Alçada Baptista

                Hoje, por aqui me fico. Um abraço. SANTA

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

PARA MEDITAR...

Um colega meu, escreveu este pequeno artigo para o nosso jornal "O ELO" que é o jornal da nossa associação, e que eu passo a partilhar com todos:


Para todos um abraço. SANTA.

sexta-feira, 3 de fevereiro de 2017

Ida a Moçambique

Estas quadras são da autoria do nosso amigo Choné, mais  um dos grandes poetas que pertenceu, ou melhor, pertence à nossa Companhia.
Foi durante o almoço anual em Coimbra, Maio de 2010, que me entregou o manuscrito com as mesmas pedindo-me  para editá-las no blog.
Só que, e há sempre um "só que", este vosso amigo nunca mais se lembrou do pedido, mas guardou-o no baú da tropa.
Hoje mesmo, enquanto lá remexia, dei com o papelinho e aqui estou a penitenciar-me de tão grande lapso.
Peço-te perdão, amigo Choné. mas mais vale tarde que nunca. E, passados seis anos, vê-se bem que continuas actualizadissimo. Um grande abraço para ti.
 
Então é assim:
 
Ida a Moçambique 
 
Parti um dia                                   Que maus momentos
pró ultramar                                   tantas torturas
cabeça fria                                     tantos tormentos
só de pensar.                                e mais loucuras. 
 
No meu regresso                          Nessa experiência
mas bem depressa                       que por mim passou
porque o progresso                     minha inocência
não ia nessa.                                 bem me marcou.
 
Só Portugal                                   O que bem sei
queria a razão                               da minha sorte      
para uma guerra                           é que fiquei 
sem solução.                                 muito mais forte.
 
Autor: Avelino Torcato Pereira                                      

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

AS ÚLTIMAS DO NOSSO AMIGO MOREIRA...

É mesmo assim. As últimas...


Acho que as fotos não precisam de legendas. A primeira mostra o antes e as outras o depois...!

SANTA. Um abraço para todos.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2017

RECORDANDO. CONTINUAÇÃO...

Continuando a recordar, mais 3 fotos do nosso amigo Moreira.


A primeira, mostra um momento de descontração. A segunda, o nosso amigo Moreira tomando banho numa das mais modernas casas de banho! Reparem no chuveiro! A terceira, está ele com uma das nossas mascotes.

Um abraço. SANTA.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

EDITORIAL...

Achei interessante o Editorial do nosso Jornal " O ELO" 1ª edição de 2017. Dendo assim, achei por bem, publicá-lo no nosso blog.



Com um abraço, Santa.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

ÉVORA...

ÉVORA - MURALHAS A DENTRO

Mais um poema do amigo Carlos Silva...

As tuas belas cantigas
Que as raparigas
A voz lhe dão
Cantando ceifam espigas
Cigarras formigas
Que lindas são

Searas ao vento onduladas
P'lo sol douradas
Se perdem de vista
De papoilas salpicadas
Ao molho atadas
Nobre conquista

Évora terra bela
Loiros à janela
De glória e fama
Tem os ossos na capela
Orgulhoso com ela
O Templo de Diana

Planície de verdes prados
Extensos montados
Sobro e azinho
Solares abrazonados
Campos semeados
De pão e vinho

Os teus museus e mirantes
Recebem visitantes
Com amizade
Nomes ilustres sonantes
Toda a humanidade

As tuas pedras lavradas
À mão trabalhadas
Com arte esculpidas
Decoram velhas arcadas
Em estátuas armadas
De branco vestidas

Desde as portas d' Aviz
Largo do Xafariz
Giraldo ao centro
Deus pra te ver feliz
Quis a Sé e a Matriz
Muralhas a dentro

Princesa do Alentejo
Doce desejo
Tudo és para mim
Sou quem te quer bem
Me perdoe a minha mãe
Se não a amei assim.

                Isto, é Carlos Silva e a sua veia poética!

  Para a próxima, vai um poema que se chama a " A PROCISSÃO" que também, tem o seu quê de interessante!

                      Por hoje é tudo. Um abraço para todos. Atenção ao frio!

                                                     SANTA

,

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

POESIA SABE SEMPRE BEM...

ENTRE MÚSICA E POESIA, é mais um poema de Carlos Silva.

A música, tudo isto é:
Da alma agitada: bonança
Daquele que não perde a fé
E faz depender dela esperança
Chegar à música de viva voz
É possuir a terra o sol e o mar
É dar um pouco do melhor de nós
É vontade de amar, perdoar e sonhar
Se por esta causa, eu me perder algum dia
É para desfrutar da melhor companhia
Entre a música é a poesia, comigo hão-de dar
É direito à ilusão, de voar, subir e libertar
De a saborear, e assim a ela se entregar
É sentir no peito que a alma se arranca
Como diria Flor Bela Espanca!

                       Do nosso camarada da 2415, Carlos Silva.

                     Do Santa, um abraço.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

PORQUE NÃO RECORDAR?...

Porque não recordar Carlos Silva?

Do seu livro " AS CORES QUE A VIDA TEM", mais um poema:

A  música nasce na fonte da ternura e do pudor
Se eleva por entre as nuvens, para lá dos astros
    Como fumo subindo em prece e louvor
     De incenso branco perfumado e casto

      A música é como um sorriso contagiante
Não custa  a quem o dá, enriquece quem o recebe
      É da natureza o mais puro e fiel amante
É condensar desejos, sentimentos, afaga-los ao de leve

                   Como ela inebria os sentidos
                  Transforma o coração e a alma
                   Entra suavemente pelos ouvidos
                 E se aninha no peito terna e calma

    Ditosas mãos que vibram um instrumento
          Seja de fole, cordas, teclado ou de cana
    Fazê-los tocar todos ao mesmo tempo
         Quase que ultrapassa a arte humana

                Se queres cantar e dançar comigo
              Levanta-te vem daí, toca a marchar
                Tenho palavras escritas num livro
                 Muita e boa música para te dar

                     Eu quero declamar a poesia
                  Seja de Camões, Aleixo ou Pessoa
                     Escrevê - la, recitá -la noite e dia
                    Até que a ama e a mão me doa
                     

                                               CARLOS  SILVA

          SANTA.  Um abraço para todos.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

RECORDANDO...

Recordando. Continuação.

Imagens inéditas... O Artur e o Moreira na execução do monumento que havia de ficar na nossa companhia para perpetuar a nossa estadia em Lione. O emblema, como já sabem, foi de minha autoria e aqui está a ser edificado com toda a mestria por estes dois camaradas. Mais tarde (infelizmente) foi acrescentado o nome do Sargento Carvalhito e do Furriel Santos falecidos em combate. Ver no nosso blog.



    Continua...

Com um abraço. SANTA.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

RECORDANDO...

Recordando, é a palavra exata ao mostrar algumas fotos do nosso camarada Moreira. Para ele um abraço.
 Aqui vão as primeiras:



O nosso amigo Moreira num abrigo junto ao forno. Depois, novamente o Moreira e o Artur numa palhota!

                                                      Continua...

Para todos, a continuação de um bom Ano. Um abraço.
  
SANTA

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

JÁ PASSOU...

Já passou... Estas são as minhas palavras de 2017, no nosso blog! 31 de Dezembro. Pelo mundo fora, tudo á espera (em qualquer sítio) das doze badaladas da meia noite (em qualquer relógio de uma torre e não só) que assinala a passagem do ano. É-me difícil ver na televisão a passagem do ano por esse mundo fora. Os gastos que são aplicados nas festas. Eu sei também, que tudo isto dá ganho a muita gente e muito emprego. Acho (na minha opinião, e ela vale o que vale)que festas sim, mas com gastos mais comedidos! Se refletirmos bem, vejam que parte do dinheiro que se gasta faz tanta falta em outros lugares do mundo incluindo o meu país. Gente que não tem que comer, gente que não tem trabalho, coisas para fazer ao nível autárquico em que vamos pedir qualquer coisa e respondem-nos: não há dinheiro! Eu próprio, estou á espera, (já contactei várias vezes com a entidade que compete resolver este problema) vai fazer três anos, para colocar dois sinais de trânsito na minha rua por obras mal feitas e que tanto transtorno causa ao trânsito, e nada! E mais coisas. Até já pensei fazer um peditório na rua... Eu sei, que talvez me vão chamar nomes por estas minhas palavras mas cada um tem direito á sua opinião. Certo? Estou a fugir fora do contexto...

Pois é. Ano Novo vida nova. A folia tudo faz esquecer. Depois, entrando na vida a sério, lá voltam as queixas: está tudo a aumentar, a gasolina cada vez está mais cara, não há trabalho, os transportes e a eletricidade também vão aumentar, não se pode! Pois é. A festa já acabou! Temos todos que tocar o barco para a frente para não encalhar!

Que o Novo Ano traga mais paz e amor ao mundo. Que acabe para todos o flagelo do terrorismo. Que haja trabalho e comer para todos e que as crianças possam viver em paz. Que os senhores do mundo deixem de brincar ao armamento. Parece brincadeira de miúdos: eu tenho uma fisga que é mias forte e atira mais longe que a tua!
Já dizia o poeta:" O mundo pula e avança como uma bola nas mãos de uma criança". Pois é. Este mundo pode continuar a pular, mas para isso o HOMEM tem que mudar a sua mentalidade destruidora. Ao destruir o mundo é a mesma coisa que estar a destruir-se a si próprio.

 Termino, pedindo desculpa se ofendi alguém (não foi minha intenção)e desejando mais uma vez um BOM ANO NOVO para todos em geral.


                                                                    

SANTA

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

**ANO NOVO**

Pois é! Parece que ainda á poucos dias, festejávamos a entrada do 2016 e já estamos a festejar a entrada do 2017. Como o tempo passa depressa! Foi bom o ano 2016? Tudo depende do ângulo em que o vimos passar. Mas uma coisa é certa: trouxe coisas boas e coisas más.Qual a quantidade das coisas boas e das más?...
O que se espera então do 2017? Que seja melhor, que não haja tantas guerras nem desigualdades, que a fome se extinga e quem governa que governe com os olhos postos naquilo que o ser humano mais precise para viver tranquilo. Que este novo ano,traga á humanidade coisas boas. Que este novo ano, não esqueça as crianças que tanto sofrem e que o terrorismo acabe. O NATAL já lá vai! Tudo o que foi desejado nesta quadra, paz, amor, tudo de bom, etc. etc.é agora abafado pelo ruído da passagem de ano. Depois? Bem a folia do carnaval e tudo volta ao mesmo, já ninguém se lembra da paz do amor etc. etc.Chega-se ao fim de 2017, é virar o disco e toca o mesmo!

Sendo assim,os meus votos para 2017,são: que acabe as guerras que abalam este planeta,que acabe a fome e que haja igualdade em todo o ser humano e que as crianças sejam preservadas do sofrimento causado pelas guerras. Enfim. Que o mundo possa viver em paz e que os homens se compreendam uns aos outros.

         DESEJO PARA TODOS,UM BOM ANO 2017, COM MUITA PAZ E MUITA SAÚDE.

                                                     

                                                             SANTA



sábado, 24 de dezembro de 2016

ADAMASTOR...

ERA UMA VEZ...

E,
FUGIU MEIO MUNDO,
ASSUSTAD"OUTRO MEIO.
"PEGARAM EM ARMAS,
SONHARAM A GUERRA,
FIZERAM CAMPANHA,
GASTARAM SEU TEMPO,
FERIRAM A VIDA,
MATARAM A PAZ".

E, A FERA,
MOSTRENGO A PENSAR;
LHES DISSE D"AMIGO:

-"ANDAIS CONFUNDIDOS,
OU MAL APRENDIDOS;
TRABALHO É A PAZ
QUE A GUERR"É DESCANSO.
RECOLHEI AS ARMAS,
VIVEI VOSSO TEMPO,
QUE A VID"É TÃO CURTA,
E A MORT"É CERTA!

EU AQUI INERTE,
SEM FIM NEM  COMÊÇO,
SEM VIDA NEM NADA;
OBSERVO "TRISTE",
O MUNDO QUE HAVEIS,
ONDE VEGETAIS,
PODENDO VIVER.

                                                    M. MEIRELES


PARA TODOS, COM OS VOTOS DE UM SANTA CONSOADA E UM SANTO NATAL.

SANTA


quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

Adeus inté ó meu regresso

 
Todos conhecemos bem e ainda nos lembramos desta célebre frase que a RTP atirava para o ar em vésperas de Natal.
 
Para os que nunca ouviram falar em tal, digo-vos que era a mais icónica, além de outras como: passem um Natal Feliz e um Novo Ano cheio de propriedades.
 
Durante a chamada "guerra colonial" muitos dos militares que por lá passaram foram convidados a enviar mensagens de Natal, ao vivo, para as suas famílias saudosas na metrópole. Para isso a RTP deslocava-se às colónias e ajudada pelos serviços de filmagens das Forças Armadas entravam mato adentro até em zonas perigosas de 100% para junto da malta filmarem e gravarem as ditas mensagens que, posteriormente, passavam na televisão em horário nobre, julgo que à volta do Telejornal da noite.
Era uma das formas das famílias, que cá ficavam a sofrer pela ausência dos seus, conseguirem olhar e acreditar que ainda estavam vivos.
 
Pois a mim também me tocou essa sorte e fui colocado na fila da malta, julgo que sorteada para o efeito. A coisa era muito simples, o companheiro da frente após gravar a sua mensagem logo passava o microfone para o de trás que, em muito pouco tempo, tinha de dizer o que lhe ia na alma. E, sucessivamente, pois a equipa de filmagens teria que pôr os pés à picada e não havia tempo para decorar o "script" de cada um.
 
Desse modo, lembro-me de ver o "técnico da claquete" meter-me à frente do nariz a dita e bater a tampa dizendo: pode falar , enquanto recebia o microfone do anterior.
 
Ora, como não nasci para actor, só sei que o nervosismo (não digo "stress" porque foi em 1968, e nessa época nem sonhávamos vir a usar essa palavra) deixou-me todo tolhido sem saber bem o que dizer e, então, com a boca em cima do microfone lá consegui balbuciar:  VOU FALAR PRA PAREDE pra meus pais, etc. etc. etc. - Cabo Cripto - fulano de tal.
E logo passei o micro que queimava ao gajo a seguir.
 
Ou seja, não é habitual encontrar pessoas que falam para a parede, pois são tolinhas, mas devo ter sido dos poucos que falou para a freguesia da Parede, concelho de Cascais.
 
Acontece que a minha família quando soube que eu iria aparecer no ecrã da RTP passou a vigiar o aparelho e, tanto esperaram que acabaram por me ver e ouvir a dizer: "Vou falar pra Parede".
E, vejam bem, até tiraram uma foto com "flash" ao  seu  mais que tudo  escarrapachado no ecrã, só que, após a revelação do "rolo" a foto saiu preta. Altas tecnologias daquele tempo!
 
Curiosidades de Natal que a memória não apagou.
 
Feliz Natal a todos
 

terça-feira, 20 de dezembro de 2016

NATAL

NATAL. Quer queiramos ou não, ao celebrarmos o Natal, para mim é-me difícil não falar do seu significado: O nascimento de Cristo. Se não fosse assim, será que existiria esta data festiva? Na minha opinião: Não. Sendo assim, seguindo o seu significado é uma data marcante para estar em família. Mas, cada um adere a ela por sua livre vontade.
Fala-se muito do Presépio. O Presépio (para quem é Cristão) vai diretamente aos nossos corações e pede que o menino que nos habitou, renasça novamente e tudo em nós se transforme em vida simples, que gere Paz, Amor, e Perdão. Se aceitarmos todos este convite, seremos todos melhor. Eu sei que para muitos é difícil aceitar estas palavras e outras que vou escrever adiante. Nada posso fazer!
Os dias presentes não são somente de tristeza e de lamentação, apesar de não ter ainda desaparecido do nosso planeta a fome, a doença, as injustiças, opressão e a violência e o que está hoje em voga: O Terrorismo! Como podemos deixar passar tudo isto despercebido?
Paremos silenciosos, junto do presépio de Belém, e vamos tentar ver e sentir, para além do simbolo histórico, a Mensagem espiritual que desse Presépio vem. O homem gosta de viver sob a visão de guerra eminente espreitando a possibilidade de aniquilar a todos. Em suma, a vida perdeu qualidade de uma forma irreversível , remetendo-se o homem para os meios tecnológicos que possui. Se o dia de Natal for marcante nas nossa vidas, não apenas como uma comemoração histórica cultural, religiosa ou familiar, mas como a que se refere, então vamos sentir Paz e Amor.
De uma coisa sei eu: no meio das luzes, da comida, prendas e grandes festas, muitos de nós esquecemos o resto. O que celebramos? Há, o nascimento do menino...E é assim que se perde o carisma do dia.
Já não basta o que se passa por esse muito fora? Cada vez á mais gente a passar fome. Cada vez á mais guerras empurrando os povos para uma fuga em massa para outros países e que tem causado um número indeterminado de mortos entre eles crianças. E agora pasme-se: já se fala em construir muros! São os atentados a bomba, é os assaltos, é a corrupção, é a violência doméstica e os abusos sexuais. Todos os dias á notícias chocantes que nos entram pela casa dentro. Vejam oque aconteceu ontem. Onde está o coração do homem? Como é que o homem quer viver se não respeita a vida, e neste caso especial, a quadra que atravessamos?Fazendo as minhas contas cheguei ao seguinte resultado: É o homem no seu esplendor  de brutalidade.

É NATAL. Vamos deixar as coisas más e vamos pensar em coisas boas. Que cada um de nós não se esqueça que, se calhar bem ao nosso lado á alguém que não tenha nada para o celebrar. Vamos todos reunir as nossas famílias. Que seja uma consoada de Paz e Amor e que a família 2415 na saudade, não esqueça dos nossos companheiros que já partiram.
Em particular, eu desejo a todos os camaradas da 2415 e suas famílias um Santo e Feliz Natal e que entre as prendas que possam receber, as maiores sejam: Saúde, Paz e Amor. Estes votos, estendem-se a todos os familiares daqueles que já partiram e que estão na nossa saudade.
A 2415, deseja também um Santo e Feliz Natal para todos os camaradas de guerra em geral.

O nosso blog, não podia esquecer, todos aqueles que o têm seguido. Para todos e seus familiares  um Feliz e Santo Natal.



UM SANTO E FELIZ NATAL PARA TODOS

SANTA




    



sábado, 17 de dezembro de 2016

Última hora:

O nosso 1º. Natal
LIONE 1968

O Nosso Comandante

António A. Amado

deseja a todos

Boas Festas de Natal

e

 Feliz Ano Novo !!!


HOJE É SÁBADO...

Pois é! Hoje é Sábado. Ao olhar pela minha janela, vejo o sol pôr-se por entre algumas nuvens num tom vermelho claro como dizendo: adeus até á manhã. Sim, porque estes três últimos dias não o vi. Uma das razões foi-me dada por uma gripe que me obrigou a três dias de cama, estando ainda neste momento um tanto abalado. Nada de mais. É fruto da época!
 Recebi ontem uma carta do nosso amigo Vivaldo desejando-me um Feliz Natal e dois textos para publicar no nosso blog. Sendo assim, aqui vai o primeiro:

" JUÍZOS DA RAZÃO "

Julgarás:

-A semente,
Pela nobreza da árvore.

-A árvore,
Pela excelência dos frutos.

-A ramagem,
Pela fruição da sombra.

Julgarás:

-As pedras
Pela consistência das paredes.

-As paredes
Pela majestade do templo.

-O templo,
Pela abrangência do sagrado

« As coisas serão,
Quando significarem»

Julgarás:

-O nómada,
Pelo sentido da procura

-O sedentário,
Pelo valor da permanência.

-O Efémero,
Pela consolidação do perene.

-A palavra,
pela coerência dos actos.

-A morte,
Pela redenção da vida.

E,
O economista,
Pela eficiência dos cálculos.

Oxalá!...

Na hora da safra,
Em dia de juízo,
Hajas que dizer

-Valeu a pena!...

E,
Hajas que ouvir:

Foi boa a sementeira,
Parabéns ao lavrador!.. 


                                              M. MEIRELES

               Um abraço para todos. SANTA.





sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

ÁFRICA MINHA - As 20 mulheres mais ricas do continente

Mimi Alemayehou (OPIC)
http://www.forbes.com/sites/mfonobongnsehe/2013/12/04/the-20-young-power-women-in-africa-2013/#71929d7e7231

A fome em África começa precisamente, assim, com tanta fartura!!
Nem o Ruanda escapa; aquele país de má memória, onde a guerra civil dizimou milhões.....(ehehehe.... desculpem mas é para não chorar). E, então, que dizer da Etiópia.
Não vamos esquecer que o ocidente moralista tem imensas culpas no cartório com aquela de "não ingerência" que tanto gosta de atirar para o ar!
Enquanto isso são as crianças que mais sofrem e morrem com fome e doenças inclementes.
Mas, agora é tarde (digo eu) para o tratamento de choque que seria aplicar o "velhinho" mapa cor-de-rosa, ou algo similar, que beneficiasse todas as partes.
Não me considero "idoso" do Restelo, mas acho que o descalabro a sério do mundo irá começar por aqui.
Por mais habituado que esteja a esta triste realidade não consigo deixar de me revoltar.
Poderá até dizer-se que há remédio para a cura só ninguém quer tratar o doente. PORQUÊ?

(Aconselho vivamente a clicarem no link acima)




terça-feira, 13 de dezembro de 2016

PARA TERMINAR O CICLO DE POESIA DE ANTÓNIO VERÍSSIMO...

 Ora então, é mesmo assim. Vou terminar o ciclo de poesias de A. Veríssimo, com dois poemas que ele dedicou ao AVÔ.

AO AVÔ ANTÓNIO JOSÉ

Aqui estou sentado
Acompanhado p`la saudade
Navegando p´lo p+assado

Certo de ganhar alento
Com este amor sagrado
Voando no firmamento

Aquele soldado de pujança
Que foi, o meu AVÔ
Pela MÃE PÁTRIA lutou
Durante a guerra de França

Sendo a força, do seu crer
Quem o conseguiu devolver
À terra que o viu nascer

Pela POLÍTICA ignorado
Como outros PORTUGUESES
O meu querido AVÔ
Morreu abandonado

Aqui estou, sentado
Envolto na saudade
Recordando, o próximo; passado


AVÔ SAUDADE

Aqui estou olhando o firmamento
Recordando cada momento´
Em que caminhavas pela estrada
Com o cajado na mão
Em direcção à mimosa
Procurando a sombra daquela amada
Tua vida de pobreza, tortuosa
Marcou-me, deu-me alento
Sinto-o no meu coração
Ao recordar um bom cristão
Educando sua família ditosa
Pugnando pela harmonia e p`lo bem
Sendo escravo do sentimento e do amor
Pai! Avô! SAUDADE!

Meu bom avô!JOAQUIM
Somente te esquecerei
A quando do meu fim

Sendo assim, termino por hoje com um grande abraço.
                                   SANTA