sexta-feira, 13 de julho de 2018

Visita... Curiosidades...

Na continuação da visita ao Museu da Guerra Colonial do Ministro da Defesa Nacional, vão aqui algumas curiosidades...

Uma das muitas máquinas de costura das oficinas de fardamento...





Algumas miniaturas...







Secretaria , cadeira e vários objectos utilizados pelo Prof. Doutor Marcelo Caetano 1º Ministro de Portugal do Estado Novo...




                                                          Algumas cenas de guerra...


O embarque...

Desde já, quem ainda não visitou o Museu, deve fazê-lo. Principalmente as escolas. Assim, ficará a conhecer-se um pouco mais do que foi a Guerra Colonial.

         (continua)

Com um grande abraço
SANTA

quarta-feira, 11 de julho de 2018

VISITA...

No passado dia 9 o Museu da Guerra Colonial fez 17 anos recebendo a visita do Ministro da Defesa Nacional, José Azeredo Lopes entre outras entidades militares e civis. Este Museu resulta das doações  de ex-combatentes e do contributo "precioso dos três Ramos das Forças Armadas"´
Como não podia deixar de ser, a Delegação de Coimbra da A.D.F.A. esteve presente entre outras.
Devo dizer também, que tive o grato prazer de me encontrar com o Ex. Alferes Soares da 2415 que também se dignou estar presente.
Como é da praxe, aqui vão algumas fotos do acontecimento...








Hino Nacional  e o hastear da Bandeira Nacional...


Mesa de honra: Da esquerda para a direita: Presidente da A. Geral do MGC Dr. José Ferreira, Presidente da Câmara Municipal de Famalicão Dr. Paulo Cunha, M.D. Nacional José Azeredo Lopes, Presidente da ADFA Comendador José Arruda, P.do MGC Sr Augusto Silva



                                                            Os respectivos discursos...



Altura das prendas...


O Sr. Ministro da Da Defesa Nacional assinando o livro de honra...

                                                                   Mais uma prenda...



Já no final o Sr Ministro com o Comendador José Arruda e Abel Fortuna Presidente da Delegação do porto da ADFA..

No final visita guiada ao museu...

Já no rescaldo (3) à esquerda  Coimbra (3) à direita Lisboa em plena cavaqueira...

E pronto. Por hoje é tudo. (continua)
Um abraço
SANTA

segunda-feira, 9 de julho de 2018

FESTAS DA MINHA CIDADE...

Ontem foi o último dia das festas da minha cidade (COIMBRA). Festas em honra de Santa Isabel Rainha de Portugal e Padroeira de Coimbra que de dois em dois anos (anos pares) trazem a esta cidade milhares de pessoas. Depois da Procissão nocturna de Quinta Feira com saída do Convento de Santa Clara para o Panteão Nacional (Igreja de Santa Cruz) onde repousam os restos mortais de D. Afonso Henriques e seu filho, ontem dia 8 realizou-se a Procissão diurna em sentido inverso. Como vem sendo costume, a A.D.F.A. Delegação de Coimbra participou nesta Procissão. Esta, é uma das maiores festas do nosso país.
Sendo assim, insiro no nosso blog algumas imagens...



Abertura da Procissão...



Pendão da Confraria de Santa Isabel...












Estas três fotos , mostram o nosso Estandarte (A.D.F.A.) e da Liga dos Combatentes...






Imagem de Santa Isabel Rainha. Pesa cerca de 800 quilos...


Pendão da minha Freguesia (S. Martinho do Bispo)..



Parte final da Procissão...

Até breve com um grande abraço

SANTA








sexta-feira, 6 de julho de 2018

É VERDADE...

Olá amigo Artur! Sejas bem vindo. Claro que à uma verdade em tudo o que dizes no teu texto. Já algumas vezes me manifestei com respeito ao esquecimento de todos os que combateram na Guerra do Ultramar. Neste caso, e ao que te referes no teu texto, parece tudo estranho mas não é. Não tenho nada contra os camaradas que combateram na grande guerra, antes pelo contrário. Foram heróis no seu tempo como nós fomos no nosso tempo. Mas muita gente já se esqueceu, que também esses heróis foram esquecidos na altura. Alguns chegaram a mendigar pelas ruas. Agora que já todos desapareceram, lembram-se deles! Um dia que já não haja nenhum de nós talvez aconteça a mesma coisa! Sempre disse e volto a dizer: é uma vergonha para o Estado Português nada fazer para trazer aqueles que estão sepultados naqueles cemitérios se é que alguns são cemitérios, e que tudo deram pela nossa Pátria e a pátria hoje nem um lugar no seu solo lhe dá. O Estado Português, tem obrigação de ajudar monetariamente as famílias que querem trazer para cá os seus ante queridos. mas nem isso fazem. O folclore é muito bonito mas é para quem o dança! Já é sabido amigo Artur, que sempre nos tentaram esconder. Já nos tempos da outra senhora (e tu sabes bem) os mortos vinham (aqueles que vinham) pela calada da noite bem como os feridos de guerra para ninguém ver, hoje calam as vozes, não falam de nós, para ficar-mos esquecidos no tempo como nada tivesse acontecido. Fazem-se homenagens aos que combateram e morreram na Grande Guerra. Mais que justo e a nossa história não os pode esquecer. Mas, a nossa história também não pode esquecer os que combateram e morreram na Guerra do Ultramar. Uma e outra complementam-se no tempo. Diferentes, mas foram guerras. E então, sendo assim, eu pergunto: Para quando uma homenagem a nível Nacional aos combatentes da Guerra do Ultramar? Já ouvi algum tempo, algumas palavras do nosso Presidente da República sobre este assunto. Espero que não fique esquecido. Grande Guerra, Guerra do Ultramar, foram todos combatentes e filhos desta Pátria que é Portugal. Senhores Governantes, não queiram fazer ver que nada se passou. São muitas as testemunhas ainda vivas e sofrem os horrores de uma guerra mais que injusta, e só isto, já dá para que não nos ponham no rol do esquecimento.


    Com um grande abraço para ti, amigo Artur. Para todos em geral, também um grande abraço.

                                                                      SANTA

RUI RIO - 10 vs ANTÓNIO COSTA - 0

Viagem do PM António Costa a Moçambique

As imagens que ontem assisti na Tv durante o telejornal da noite deixaram-me, mais uma vez, indignado. E, como, por enquanto, tenho direito a ela, aqui vai:
O nosso Primeiro anda de visita ás terras de origem e, à chegada, depois dos cumprimentos e das habituais danças folclóricas nativas e, se calhar, antes de atacar o  caril de caranguejo, a que tem direito, lembrou-se ou, melhor ainda, alguém se lembrou por ele, de ir visitar um cemitério lá da zona.
Logo pensei que seria para ver/resolver "in loco" campas de militares portugueses mortos na guerra colonial e lá esquecidos. Juro que, enquanto assistia às imagens, passou-me pela mente: "olha nas próximas vou votar no gajo" . Mas, eis, senão quando, o nosso Primeiro pega numa coroa de flores e dirige-se para um mausoléo homenageando os heróis combatentes da 1a. guerra mundial.
Juro, de novo, que fiquei estupefacto e incrédulo. Até ali, a doze mil km de distância, a saga da 1ª guerra continua, quando outra  que só tem 50 anos é liminarmente/propositadamente esquecida. Como a gente diz na nossa terra: Não lembra ao diabo!
Prefiro terminar por aqui, pois a minha irritação é tão grande que iria, a partir de agora, escrever palavras desaforadas e indelicadas.
Mas, não sem antes dizer e, sem querer entrar em politiquices, há dias atrás assisti também na Tv durante uma visita à Guiné do Dr. Rui Rio, do PSD, dirigindo-se a um cemitério local e junto das caixas com as ossadas de militares lá falecidos e esquecidos procurou saber da realidade actual.
"As acções ficam para quem as praticam"! O Dr. Rui Rio deu uma cabazada ao governo!
 

domingo, 1 de julho de 2018

ALHAMBRA...

Ora vamos lá passear por ALHAMBRA...














   (continua)

   Com um abraço para todos.                                            
                                    
                                                              SANTA