sábado, 6 de maio de 2017

Dia Sete. Dia da Mãe...

Dia da mãe. Para mim, dia da mãe deveria de ser todos os dias. O nosso blog não podia esquecer, as mães que viram partir os seus filhos para uma guerra sem razão de ser, lhes roubou. Foram roubadas e esquecidas ao longo do tempo. Para elas,( a maior delas já falecidas) e para todas as mães em geral, a homenagem sentida da 2415.

Vai aqui uma poesia de Maria Itens Nunes Pereira, que se adapta muito bem ás nossas mães de guerra e a todas as outras mães que por outras circunstâncias também perderam os seus filhos.

                                
                                               

Dia da mãe, que chama pelo filho, e ele não responde,
Dia da mãe, que quer chorar, e para isso se esconde.
Dia da mãe, que tem que se isolar, em lugar escondido,
Para chorar,
E tem que pensar,
Que chorar é proibido.

Dia da mãe, que sofre lá dentro a mágoa que tem,
Que tem que esconder,
O que está a sofrer,
Sem mostrar a ninguém.

Dia da mãe que que seu filho perdeu,
Que o tempo passou, mas que não esqueceu.
Dia da mãe, com uma solução incrível,
Que se quer conformar, mas que é impossível,
Dia da mãe, para quem a felicidade foi desconhecida,
Que a sua felicidade
Deu lugar á saudade
E aos martírios da vida.

Para todas as mães um grande beijinho.

                    SANTA

Sem comentários:

Enviar um comentário