quarta-feira, 30 de novembro de 2016

TRISTEZA...

     Foi uma notícia que me chocou e com certeza a todos da 2415 e ainda a todos aqueles que nos seguem. É a verdade. 

Acidentes de Avião, fazem parte de outras tragédias que acontecem por este mundo fora. Uns mais mediáticos outros menos, derivado ás pessoas que transportam, neste caso: de Avião. Todos eles merecem da nossa parte a mais profunda dor. Era o caso deste voo que transportava a equipe de futebol  do CHAPECOENSE. Quer queiramos quer não, o futebol move paixões por todo o mundo. Logo, esta equipe despertou em todos a tristeza por todo o mundo desportivo como outros casos idênticos já aconteceram. Não é para menos. Ninguém pode ficar indiferente ao que se passou e a tudo aquilo que (segundo tenho lido e ouvido) rodeou este voo desde a partida até á hora fatídica: o acidente. Erro humano? Avaria eléctrica? Falta de combustível? Vamos esperar para ver...
O que resta de tudo isto? É que setenta e tal pessoas morreram. Esta é que é a realidade. Que todos aqueles que sobreviveram, tenham rápidas melhores são também os nossos votos.

O nosso blog, não podia ficar indiferente ao que aconteceu. Sabendo eu que muitos brasileiros seguem o nosso blog, daqui enviamos os mais sentidos pêsames a todas as famílias que perderam os seus ante queridos  neste acidente. Estes votos , são também extensivos ao CLUBE CHAPECOENSE e que a força não lhes falte para que em memória dos que partiram, reerguerem o club. Que eles façam parte de todos vós da saudade eterna. Que eles na vossa memória estejam sempre vivos

                                                                       QUE ELES DESCANSEM EM PAZ

                      Para todos em geral, e em nome da 2415 um grande abraço. SANTA

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

NOSTALGIA...MENTIROSO...

Mais uma vez, António Veríssimo:

NOSTALGIA

Já não tenho quem
Me conte lindas histórias
Daqui e de além

Ah! quanto tempo
Eu! Te não vejo
Foste como vento
Já não TE almejo

Mas é imortal o nosso amor
Que bem vivo continua
No melhor do seu explendor

Ah! que eu já não sou
O menino, a criança pequena
Que adormecia serena
Ao colo do AVÔ


MENTIROSO

Á beira do rio acordei
Muito assustado fiquei
Após ter estado a sonhar
Que ELE estava a secar

Acordei vi seu leito
Onde a água corria
Hrmoniosa e com preceito
Brotando alegria

Radiante gritei
Meu querido rio
Mas porque é que sonhei
Que estavas seco, vazio

O meu grande amor
Que a sonhar seco eu via
O meu querido ALMANSOR
Corre como antes corria

Muito assustado fiquei
Por causa do mentiroso
Sonho que sonhei

E pronto. Por aqui me fico. É sempre bom, aqui e ali, recordar os nossos poetas.

   Com um grande abraço para todos.

                       SANTA


segunda-feira, 21 de novembro de 2016

ONDE ESTÃO?

ONDE ESTÃO os camaradas da 2415? Tanta coisa ainda para contar da nossa companhia por terras de África! Tantas fotos que poderiam fazer parte do nosso blog! Porquê? Porque se teima em perder a amizade construída por nós naquelas terras? Vamos lá camaradas. Mandem fotos, textos e de outras coisas que tenham interesse para o nosso blog para os emails (que estão do lado direito do nosso blog): do Soares, Artur, Magalhães e para o meu, que eles serão publicados. Não custa nada. É uma questão de boa vontade. Agora que está frio, com uma mantinha e tapar as pernas, (não se pode andar nas ruas) vai-se até ao computador e manda-se qualquer coisa que ande esquecida, para o nosso blog .Vamos lá!
São neste momento 17 horas. Chove torrencialmente. Convida a escrever qualquer coisa para o blog. Para a rua não posso ir, ver televisão, ver o quê? Os nossos políticos? Mas que políticos? Desgraças? Futebol? Onde todos ralham? E outras coisas mais sem interesse? O que eu escrevo pode nem ter interesse também, mas creiam que é com boa vontade que o faço, não prejudicou ninguém! Penso eu...
Vou ficar por aqui, na minha chamada de atenção para os nossos camaradas para não se esquecerem do nosso blog, que tão bem tem dado conta de si. Eu sózinho, sinto-me limitado, para o alimentar! Será uma tristeza para mim se ele morrer por falta de vontade e falta de amizade da malta da 2415.

Para não ser só este paleio, vou inserir mais uma vez (porque acho interessante e é um colega nosso), alguns pensamentos do nosso amigo Carlos Silva:

       A felicidade é como os pássaros, que passam a vida a voar,
A gente bem lhe estende os braços, mas ela nem sempre, lá quer pousar.

Quem o amor menosprezou, nunca amou nem foi amado,
   tudo ao lado lhe passou, algo correu mal, para o su lado.

A felicidade é um bem, que quanto mais se dá mais se recebe.

  O pai amigo, não é aquele que falha com os filhos de tanto brincarem; é o que brinca
                                                              com eles.

   Rapariga que não contém o choro, por o namorado ser ciumento,
                                     " Pior namoro - pior casamento".

     É mais fácil aos pais, cederem aos filhos com presentes inúteis, do que
Interromperem a telenovela e o futebol, para ouvirem seus anseios, e dar - lhes
                                          conselhos úteis.

O avô sensato não sobe à árvore para mostrar o ninho ao neto, "ensina - o a trepar"

   
           Por hoje me fico. Vou comer umas castanhas, e vou beber uma jeropiga para aquecer!

                                       Para todos, um grande abraço.
          
                                                        SANTA

                                  

"Veterans" de guerra e o Sr. Trump

PORQUÊ? também digo eu.

Na continuidade do excelente artigo de opinião intitulado PORQUÊ? que o Santa escreveu no passado dia 6 deste mês, não posso deixar de o relevar mas, também, acrescentar alguma coisa mais sempre que o assunto é desta natureza.
 
Amigo, sei bem que és filho de boa gente, eu também sou e, felizmente, muitos mais. Por isso, nunca viramos a cara para o lado e, até ao fim, vamos estar sempre na defesa da dignidade.
 
Infelizmente, tiveram de ser sacrificados acabando as suas vidas naqueles infernos à volta de 10.000 jovens (digo dez mil e não mil nem cem nem dez) havendo, ainda, a acrescentar os feridos e incapacitados para o resto da vida um numero chocante de aprox.  100.000 seres humanos.
 
Apesar de já  terem passado cinquenta anos e termos sempre a martelar nos nossos subconscientes "o tempo tudo apaga", de modo algum se deverá esquecer uma realidade tão profunda e dolorosa. Até porque foi a nossa realidade! Que me desculpem as gerações da 1ª guerra mundial  que tantos horrores sofreram.
E, se esta dita realidade não nos incomodar, então somos, com certeza, outros seres quaisqueres. Humanos é que não!
 
Seja escrevendo continuando a denunciar, seja informando nas escolas e similares e, ainda, chamando pelos meios possíveis a atenção dos eternos "cobardes" que sempre preferiram usar de falsas "amnésias", devemos todos, sem excepção, "gritar" sempre bem alto: o nosso país sangrou entre 1961 e 1974 devido à guerra colonial. Temos razão e moral para isso.
 
E, para que a história continue "ad eternum" sempre pela verdade, duma vez por todas haverá que deixar de tanto enaltecer nos livros escolares, que nos formam para a vida, as batalhas de São Mamede, Aljubarrota ou outras (que me perdoem a D.Teresa e o D.Nuno), em detrimento da guerra colonial.
Os nossos descendentes, ainda tão próximos, irão gostar de conhecer toda a verdade que lhes querem omitir.  
 
Não consigo terminar sem antes ter de admitir que apesar de ser considerado uma "persona non grata" para a maioria do mundo o Sr. Donald Trump, durante a campanha eleitoral para presidente dos E.U., nunca deixou de falar e enaltecer o papel dos "veterans" (ex-militares) da guerra do Vietname e outras.
Oportunismo ou não, como queiram, mas antes isso que nada pois é, infelizmente, o nosso caso neste país que tanto nos sacrificou.
 

sábado, 12 de novembro de 2016

HOMENAGEM

No passado dia 6, foi homenageado pela Câmara Municipal da Mealhada, Junta de Freguesia do Luso e Associação dos Deficientes das Forças Armadas (Delegação de Coimbra), Homero Serpa antigo presidente da Junta de Freguesia do Luso, sócio e antigo dirigente da A.D.F.A. Foi atribuído o nome do homenageado ao Anfiteatro de Várzeas, a localidade onde viveu parte da sua vida. Foi Presidente da Junta de Freguesia do Luso durante 24 anos com uma dedicação invulgar estando sempre ao lado das suas gentes. Não era por acaso, que se viam algumas lágrimas nos rostos dos que assistiam á cerimónia. Como dirigente e associado da A.D.F.A., foi um bom exemplo para todos e aqui recordamos a sua solidariedade e camaradagem que o caracterizavam. Como sócio, quando era chamado, nunca tinha na sua boca o não. Estava sempre presente pronto para o que fosse preciso. " Era um homem de valores e princípios." O nosso amigo Homero era amputado.

                                            " QUE ESTEJAS EM PAZ "

  A ilustrar este artigo, aqui estão algumas fotos do dia da homenagem...







Estiveram presentes nesta cerimónia de homenagem, o Presidente da Câmara Municipal da Mealhada, o Presidente da Junta de Freguesia do Luso, o Presidente da A.D.F.A., o Presidente da Delegação de Coimbra da A.D.F.A acompanhado pelos restantes membros da Direção e ainda a Viúva do homenageado e família.


Já agora, para quem não conhece, algumas imagens do Luso:

  
Vila do Luso
Fonte do Luso

                          

Hotel Buçaco - Luso

Para todos um abraço. SANTA.




quinta-feira, 10 de novembro de 2016

S.MARTINHO...

Ora bem: Já passou um ano e cá estamos nós a festejar o S. Martinho.
Lembram-se do texto que escrevi fáz um ano sobre S.Martinho? E o Sr. António meu vizinho? Pois é: desta vez não foi preciso estar á janela! Estava eu hoje achegar a casa (12 horas) vindo da Delg. de Coimbra da D.F.A., quando ouço o Sr. António a chamar-me: Sr. Fernando Sr. Fernando, espere aí que quero falar consigo! Olhe, estou a convidá-lo para amanhã ir a minha casa provar a água-pé e comer umas castanhas assadas! Este ano não é preciso falar na história do S. Martinho que eu não me esqueci. Só umas coisitas mais complicadas, datas e tal e coisa e uns nomes esquesitos é que me passou! Sabe? A minha cabeça já não é nova! È como um pneu furado: enche mas esvazia logo! Fica combinado? Ok Sr. António. Amanhã lá estarei. Já agora a que horas? Cinco horas. Disse ele. 
E pronto. Amanhã lá estarei. Pelos vistos não vou ser só eu! Vamos ver o que é que a água - pé é capaz de fazer...!

A todos do blog e em particular á malta da 2415, eu desejo um bom dia de S.Martinho com água-pé ou com jeropiga mas, com o melhor de tudo : SAÚDE.
Para Sábado, dia das mulheres o meu desejo é o mesmo para elas!

                                             



Um bom S. Martinho para todos. SANTA

terça-feira, 8 de novembro de 2016

UM POUCO ATRASADAS...

Um pouco atrasadas, mas aqui vão três fotos da exposição fotográfica da Guerra do Ultramar que a Delegação de Coimbra expôs na Biblioteca Municipal de Anadia.




Mesa de honra. Da Esq. para a Dir. Capitão Calvinho, Presidente da Delegação de Coimbra José Soles Girão, a Presidente da Câmara Sr.ª Eng.ª Teresa Cardoso e
 um membro da Direção de Lisboa, usando da palavra está o Presidente da A.D.F.A. Comendador José Arruda. As outras duas mostram um aspeto da sala.

Com um abraço, SANTA.

domingo, 6 de novembro de 2016

PORQUÊ?...



PORQUÊ? Pergunto eu! Porque é que ainda existem pessoas que zumbam de nós? O que é que
 têm contra os Deficientes das Forças Armadas? Culpados? Nós? De quê? Quem nos mandou para lá? Quem nos tirou o melhor da nossa juventude? O que nos vendiam na altura, é que ia-mus defender a nossa Pátria. Hoje? Quanto sentimos na pele aquilo que compramos. É fácil as pessoas de agora dizerem coisas menos próprias contra nós. Porquê? Porque a guerra acabou e os seus filhos e netos já não têm que passar pelo mesmo que nós? Que o futuro, não lhes reserve o mesmo que nós passamos. São os nossos votos. Dizia-me um amputado aqui á tempo: Chamam-me perneta, que só estorvo, aos cegos chamam cegueta, a outros chamam chonés da guerra. 
 Será que fomos para lá assim? Porque é que ainda á gente que nos trata assim? E os que morreram? Será que ainda á respeito por eles? Fiquem sabendo: Não há dinheiro ou pensão que pague o valor da vida.
Por vezes não se pode falar da guerra em qualquer lado. Á gente atenta á nossa conversa e diz: vão contar histórias para outro lado. Faço ideia o que vocês passaram... é só histórias, foi só passear. Claro, quem esteve nas cidades não pode falar como aqueles que estiveram em contacto com a guerra, mas alguém tinha que ficar nas cidades a tratar da logística da mesma.  Não são culpados disso. Já apanhei alguns a contar histórias! Mas num cento de laranjas há uma podre, não quer dizer que todas as outras também são! As pessoas que ainda hoje desdenham de nós, não sabem o que eram os hospitais Militares da altura. Eram armazéns de despojos humanos que sofriam no corpo e na alma as torturas da guerra. Eram escondidos da sociedade pela ditadura. Isto já para não falar das morgues militares que escondiam as urnas que vinham pela calada da noite. Já pensaram o que sentiram na altura aquelas mães, mulheres e noivas com aqueles que faziam parte desta situação? Pensem um pouco e ponham-se no lugar delas! E aqueles que ficaram por lá enterrados? Cujas famílias nunca mais os viram? Pois é. Falar e criticar é fácil quando toca aos outros mas, só o que não se sabe é o dia de amanhã. É que as coisas não acontecem só aos outros...Quantas mulheres ao longo destes últimos 40 e tal anos não foram enfermeiras dos seus maridos. Quantos noivados e casamentos foram desfeitos. Quantas famílias atormentadas pelo stress de guerra dos seus maridos...
Peço desculpa se este texto é um pouco chocante. Não o escrevi para ofender ninguém mas sim pela mágoa que sinto, mas lá diz o ditado: quem não se sente não é filho de boa gente. Já estamos todos no fim das nossas vidas. Respeitem-nos. É o mínimo que todos os que pareceram e ficaram deficientes merecem, e os outros que não andando na guerra e que são também deficientes, merecem o mesmo respeito. Eu sei, que á mentes que o tempo não muda. Temos pena!
A partir de agora, não quero voltar a falar mais deste assunto. Deixo á consciência de cada um pensar o que quiser. O desrespeito por um deficiente, seja ele da guerra ou de outra situação é como um punhal cravado no corpo de cada um: FERE.Que todos estes punhais, em lugar de ferirem se transformassem em flores de respeito e dignidade para com os outros. No fundo, que haja humildade e respeito por todos.

           Eu não queria escrever isto. Mas (como dizia o outro) a mágoa magoa e o coração sente!

 " Uma língua afiada numa boca maldizente
     um cabeça desgovernada de quem juízo tem pouco, um insensato coração e uma
     alma de louco, imprudente, é como uma arma carregada nas mãos de um delinquente."
                                                                                                            Carlos a. da Silva


       Com as minhas desculpas, despeço-me com a mesma amizade de sempre. Um abraço.
          
                                                                           SANTA



          


quarta-feira, 2 de novembro de 2016

ORA ENTÃO VAMOS AO RESTO...

Como tinha prometido, aqui vai o resto...

     As quatro fotos que se seguem, fazem parte do Museu dos Descobrimentos que fica situado na Marina de Lagos. Vale a pena visitar. Todas as figuras são em cera e de tamanho natural.






As três  fotos seguintes, mostram a Ponta da Piedade em Lagos. É a natureza no seu melhor.
 







Esta é a praia do "Camilo"


                                Para terminar, mais duas fotos sobre as construções de areia!
                                         



E termino por hoje. Um abraço.
SANTA