sábado, 10 de setembro de 2016

VOLTAMOS À POESIA...

Mais uma poesia do nosso camarada da 2415 Carlos Silva. Refere-se ao pastor Alentejano e ao seu fiel amigo rafeiro, cão Alentejano.
Ora então aqui vai...

  O pastor teve um amigo
Que de todos era o primeiro
  Andava sempre consigo
pra chamar dava um latido
Fiel amigo e companheiro

Se estava alegre e bem disposto
  Punha a cauda enrolada
Como o sol do mês de Agosto
  De manhã ao sol posto
Língua de fora bem molhada

Sentinela alerta sem sono
  Quase sempre acordado
Lambia as feridas do dono
Não o deixava ao abandono
  Tinha o faro bem apurado

Não há cão mais inteligente...
  Que o rafeiro Alentejano
  Só não fala como gente
  Mas é meigo e obediente
Que até lhe chamam mano

  Quando o barbado morreu
O pastor trise e amargurado
   Nunca mais o esqueceu
Desde a hora em que o perdeu
   Até ele estranha o gado

Este nosso amigo surpreendo-nos com vários poemas que foi trabalho de muitos anos. Tem para cima de uma centena. A sua sensibilidade popular, na minha opinião é muito boa. Quem olhar para ele, não o vê como poeta! Como camarada da 2415, é justo que se faça conhecer a sua faceta de poeta.
Um abraço para ti Carlos Silva.




Para quem não conhece, aqui está uma das raças de cão rafeiro alentejano.

Do Santa para todos, um grande abraço.

Sem comentários:

Enviar um comentário