sábado, 27 de fevereiro de 2016

VAMOS TENTAR CONTINUAR...

Hoje (dia 27), á hora que estou a escrever este texto, (18 h e 30) chove torrencialmente. Está um frio de rachar! Só falta nevar aqui, na serra da Lousã, neva.
Camaradas. Adquiri á pucos dias um pequeno livro com o título:" Não sabes como vais morrer". Este livro foi escrito por um camarada nosso : Jaime Froufe Andrade. Foi Alferes miliciano -Moçambique 1968 - 1970. É um livro pequeno que se lê bem. Ele pediu-me para dizer aqui no nosso blog, que o podem comprar contactando-o : froufe.andrade@yahoo.com o custo do livro é de  apenas 3€. Um preço acessível.
A semana passada, dando volta a uns livros antigos, deparei entre eles um do nosso camarada António Calvinho (já vosso conhecido aqui no blog e grande amigo, é também dfa.) que achei interessante divulgar. Não posso precisar, mas é capaz de ter alguns quarenta anos..  o Livro tem o título: A um herói desconhecido, " UMA FORCA NA PICADA" algures na Guiné Bissau.
O livro tem diversas partes que vão ser transcritas aqui.

 "A um herói desconhecido"

Dos calabouços da pide
Chegou a Teixeira Pinto
Um negro alto entroncado
Trazia o rosto esmurrado
Nos rins chagas escorriam
Líquido esbranquiçado
No peito chagas pequenas
Lembravam morrões de cigarro
Que os carrascos da pide
Em deleite alienado
No negro corpo esmagaram.

Na planta dos pés escorria
Água das bolhas disformes
Das pauladas desconformes
Q`aquele herói suportara
Em Bissau sua cidade
Por nunca ser traiçoeiro
Por nunca ter fraquejado
Por sempre ter respeitado
Os ideais da verdade
Dum povo agora armado
Lutando p`la liberdade

Tinha os olhos inchados
A morte por companheira
No corpo dorido estoirado
A raiva por anestesia
E na alma do negro havia
A força, a razão a vida
E a certeza na vitória
Da causa justa de um povo
Que farto da exploração
De séculos de escravatura
Lutava p`lo «Homem novo»!

E nessa noite d`agonia
Feita d`angústia e tortura
Aquele homem não dormia
Qual «Cristo no horto um dia»
Esperava p`la madrugada
Que a soldadesca do «Império»
O conduzisse a «Pilatos»
P`ra que fosse condenado
D`acordo com as escrituras
Vindas de um «Jardim»
Á beira mar ultrajado!

                                                «continua»

     Para todos um abraço. SANTA.




2 comentários:

  1. Em nome do meu Pai agradeço o apoio e as palavras sentidas. Muito Obrigado.
    Cláudia Moreira Pinto.

    ResponderEliminar
  2. Olá Cláudia. Não precisava de agradeçer.Não tive até agora oportunidade de a conheçer pessoalmente,mas mesmo assim, quero dizer-lhe que tem um grande PAI.O nosso lema na guerra,era:nunca deixar nenhum companheiro para trás.Ago
    ra que estamos no fim das nossas vidas o lema continua.A vida tem que continuar.
    Ela é feita de alegrias e tristezas.Nós
    da 2415,cá estamos para o que der e vier.
    Cláudia.Um grande beijinho,e um grande abraço para o seu pai. SANTA.

    ResponderEliminar