segunda-feira, 22 de junho de 2015

POESIA...


Tirado do livro do nosso camarada Carmo Vicente, aqui vai um poema interessante:

       CABOCHANQUE

...Por cada galão a menos
naquela estupida guerra
um homem ia descendo
                                   até ficar rente à terra...

Era aí o rés-do-chão
 o lugar do comando
  três graus abaixo de cão
   era o valor do soldado
                                     um sargento valia
                                     um pouco mais do que cabo
                                     um alferes mais um bocado
                                     mas menos que capitão

                                                      Para majores e coronéis...
                                                      Era alta a cotação...

                 ****************************************************

De Sá Flores...

      A MINHA BENGALA

Bengala,
bengala minha.
Tu és a minha companhia,
o meu olhar...
Tu és cega também.
Nós compreendemo-nos
damo-nos bem.
Que bom seria
que os outros
nos vissem
como nós nos vemos.

   Espero que até aqui, tenham gostado! O  SANTA manda mais um abraço para todos.


                                             

                                                       

Sem comentários:

Enviar um comentário