* * * * Sábado, 20 de Maio ==> Convívio anual da "BRIOSA" 2415 em Montemor-o-Velho * * * *

quinta-feira, 11 de junho de 2015

POESIA...

Estou neste momento a ler (Os anos da Guerra) do Círculo de Leitores e encontrei uma poesia interessante:

CAMARADA INIMIGO

Esteve aqui um inimigo sem fome, muita.
Deixou - me este inimigo uma ração  de combate com formigas
E 2 pedaços de papel de jornal com excrementos
E 22 latas de cerveja vazias
E capim pisado.

Contou - me muita informação  preciosa este inimigo
Sei que há 3 meses fazia frio em Lisboa (Portugal)
Caetano está bom na legenda mas só tem meia cabeça na foto
E o seu sorriso acaba onde começa mais excremento
Caetano está bom mesmo e o Povo Português muito triste
Hoje há 3 meses pois Eusébio  não alinha por ter menisco
E Santo Francisco de Paula é senhorio em Lisboa dos pobres.

Sei ainda que este inimigo tem a doença da sede para esquecer
Tem pouca fome porque ainda não sabe aprender a esquecer
Tem diarreia, tem lombriga, tem solidão
E só sabe fumar metade do cigarro.

Este inimigo deixa muita informação e rasto
Não pode ser um inimigo tão assim tanto
É um camarada trabalhando no campo inimigo
É pelo menos um agente duplo.

        MUTIMATI BARNABÉ JOÃO
            (in Eu, o Povo, 1975)


Será que alguém conhece? Não é interessante?
         Um abraço. SANTA.

Sem comentários:

Enviar um comentário