* * * * Sábado, 20 de Maio ==> Convívio anual da "BRIOSA" 2415 em Montemor-o-Velho * * * *

sexta-feira, 30 de janeiro de 2015

SÓ POR CURIOSIDADE...

Estive esta Quarta -  Feira em lisboa na A.D.F.A. e tive a honra de estar com esta lenda do desporto rei (a bola)! Grande jogador da seleção. Grande magriço! Falamos um pouco depois do almoço, e claro está: da bola. Espero que saibam quem é. Mas eu vou dizer. É o nosso grande HILÁRIO.







Um abraço. SANTA.

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

BOAS NOTÍCIAS

Nem sempre nos são transmitidas boas notícias, mas esta é.
O Moreira de Lisboa contactou comigo na passada semana para conversarmos um pouco. Ficou surpreendido com a notícia que lhe dei sobre a doença do nosso capitão. Como mora perto do hospital onde ele está, foi hoje visitá-lo. Esteve com ele cerca de uma hora. Ligou-me á poucos minutos dando-me a boa notícia que tudo está a correr bem. Já está bom do braço e já deixou o andarilho e que brevemente vai ter alta.
A malta da 2415 está com o nosso capitão. Força Capitão! Vai ganhar essa guerra! Conte com a nossa retaguarda! Nós camaradas da 2415, desejamos-lhe que o regresso a casa seja em boa hora e que em maio lá estejamos todos no nosso convívio com muita saúde. 
Eu, em nome todos os camaradas da 2415, desejamos-lhe as rápidas melhores. Um abraço bem forte de todos nós.

                                                                      Em nome de todos, Ex. Furriel SANTA.

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

AQUI VAI MAIS UM POEMA DO NOSSO CAMARADA SÁ FLORES:

Foram mais der onze mil
aqueles que lá morreram.
Foram mais de trinta mil
aqueles que lá deixaram
os braços,
as pernas,
os olhos que levaram.
Foram mais de um milhão
as mães que desfaleceram,
as mulheres que enviuvaram,
as noivas que não casaram.

Oh! Guerra colonial,
quanto de ti
é sangue de Portugal.

Foi o trauma dos filhos
que os pais não conheceram.
Foi o arrojo daqueles
que de Portugal fugiram.
Foi toda a dor de um povo
vítima de opressão.
Foi o uso da juventude
como carne para canhão.

E há quem te queira esquecer!
E há quem te queira ignorar!
Eu,
que te vi,
ouvi
e senti,
hei-de cantar-te,
cantar-te sempre,
para que a Paz possa invadir
quem te quer esquecer
tendenciosamente.
Tu foste um monstro,
a injustiça,
o ódio,
o rancor,
a cobiça.
Uma guerra injusta.
Uma guerra entre irmãos.

Oh! Guerra colonial,
quanto de ti
foi sangue de Portugal.



Pronto! Agora é só comprar o livro do nosso camarada Sá Flores "Mendigos da Vida" da Chiado Editora para saberem o resto!

Este poema, ilustra bem, o que foi a crueldade da Guerra colonial. E em certa altura do poema diz e bem: Há quem a queira esquecer e até ignorar! Mas ainda bem, que no meio destes que a esquecem e a ignoram, ainda existe homens de corpo inteiro que estão do nosso lado. Para esses, um OBRIGADO.

Para terminar, que bom seria, que as fábricas deixassem de fabricar armas de guerra que só espalham o terror, destruindo e matando o ser humano, fabricassem uma só arma que ao puxar o gatilho disparasse em rajada e que em vez de balas saísse pelo seu cano, Paz Amor.

                                                  






                                     Mais uma vez, para todos um grande abraço. SANTA.

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Olá a todos. Seis para sete, dia de Reis.É o novo ano que começa a dar os primeiros passos. Todos nós esperamos que os passos sejam bem dados e não tropece!!!

Mais uma poesia do nosso camarada Sá Flores. Ainda tenho mais algumas para o nosso blog por achar que têm algo de interessante.

As palavras
são boas,
são doces,
mas também são venenosas.
Tal como as rosas,
têm
perfume,
e espinhos!
Tanto podem servir de
carinho,
como traição;
tanto podem esvaziar
como encher o coração!...
Depende de
como são ditas,
por quem são ditas
e como as recebemos.
E em momento algum
devemos deixar
de as classificar,
analisar
ver, em fim,
tudo o que têm
para nos
favorecer
ou prejudicar!...

Há palavras que são ditas
com tamanhos floreados,
que são unhas de satã
a enganar explorados.



Para todos um abraço. Continuação de um bom ano. SANTA.



quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

A PRIMEIRA DO ANO...

Acabei de receber uma mensagem de José Manuel F. Vaz (que sinceramente não me lembro quem é) desejando para todos nós um bom ano. Alguém se lembra ?

Aqui está 2015. O novo ano! Espero que seja melhor do que 2014. Que ele nos dê muita saúde para todos nós e respectivas famílias e que a nossa condição de vida seja melhor.

Para começar, aqui vai um poema do nosso camarada de guerra Sá Flores (invisual D.F.A.). Poema extraído do seu livro "Mendigos da Vida" editado pela Chiado Editora.

Que bom
é o amor.
Que bom 
é o amar.
Que bom
é sentirmos seguro
aquilo que ninguém consegue separar.
Que boa 
é a compreensão.
Que bom
é sentir que amamos.
Que bom
é sentirmos a reacção 
da pessoa de quem gostamos.
Que bom
é sentir a vida.
Que bom
é não deixar
que o mal que alguém nos faz
nos possa a vida parar.
Que bom
é olhar em frente.
Que bom
é ter noção
que existe boa e má gente
que existe bondade e traição.
Que bom 
é saber vencer
as forças da crueldade
e presente sempre ter
as manhas da falsidade.

Que triste
é quando alguém,
com a sua habilidade,
nos rouba tudo o que temos
e nos deixa sem podermos
gozar a nossa felicidade.

                                                        Espero que gostem. Para todos em geral, um bom Ano Novo.

                                        

                             


Para todos em geral, um abraço e um bom ano 2015.

SANTA