segunda-feira, 13 de outubro de 2014

PARA TAPAR O VAZIO...

Aqui vai mais um poema do nosso camarada Capitão Calvinho.

                                            MEU CAMARADA COMANDO

Meu camarada Comando
Meu camarada Soldado
Fala-te um homem marcado
Com cicatrizes no corpo.
Foram essas marcas da carne
De quando era Comando
Que me rasgaram na alma
O véu da submissão,
O véu do obscurantismo,
O véu da escravidão,
Que me tapava a razão
De servo fiel do fascismo!
-- Eu era forte, irmão!
Era robusto e valente;
Eu ia sempre na frente!
Eu tive uma «cruz de guerra»...
Lá...longe da minha terra.
--Meu camarada Comando
Meu camarada Soldado:
Medita só um bocado
Na triste realidade
Do que é um homem marcado
Por lutar contra a verdade!
...-Um certo dia distante,
Na terra dos Africanos
Um jovem cheio de enganos
Rebenta a «mina» fatal.
Meu corpo jovem e forte
Andou entre a vida e a morte.
Depois:
Foi o sofrimento...o hospital,
Amputações, torturas no corpo
E na alma...Era despojo de guerra!
Mas foi o meu despertar
Da longa noite de sono;
Da longa noite de cego;
Da carne que fui para canhão!
--Meu camarada Comando
Meu camarada Soldado
Meu camarada irmão
Eu sou um homem marcado
Do tempo que fui Comando
Mas hoje apenas soldado.
Não sou melhor nem pior;
Nem sou sequer diferente
Eu sou apenas do Povo
Como fui antigamente
No tempo em que guardei gado.
Transporto no corpo o meu fardo
Dos tempos que fui Comando
Mas numa alma esclarecida
Trago mensagens de vida.
--Fala-te um mutilado
Com muitos mil a seu lado
Muitos Comandos penando
Milhares de homens sofrendo
Não queiras ser o que eu fui
Um fratricida iludido
Um Comando Comandado
Contra um Povo oprimido!


                                             Para todos um abraço. SANTA

Sem comentários:

Enviar um comentário