quinta-feira, 13 de junho de 2013

Operação ROSENTA : O meu Relatório
cap. 2

Por:  Manuel Soares 

Depois ... foi um ver se te avias ... 

A "cozinha de campanha" funcionou na perfeição: e, pondo em prática a velha máxima "a tropa manda desenrascar", cada um se acercou dos respectivos "caldeiros" para o rancho geral.
Lembra a galinha com os pintainhos...
E não há dúvidas que o mesmo era "melhorado"... e de que maneira !!!  desde os enchidos na brasa às diversas carnes, incluindo o inocente filho da ovelha, mais conhecido por borrego,
até à especialidade da herdade, o suíno ali nado e criado, tanto o bébé (o tão apreciado leitão) como o adulto, mas todos no plural bem avantajado... e rodando devagar nos respectivos espetos, exalando  seus magníficos aromas, ao calor dos braseiros bem controlados por pessoal sabedor de seu ofício...
Vista parcial das "máquinas"
em plena laboração..
.

Não faltavam bancos e mesas devidamente protegidos do sol, pelo que, qualquer semelhança com os nossos piqueniques na selva africana era mera coincidência!
Esta pipa era de água... e enganou alguns convivas!!!







Também de pão vive o homem... e aquele era excelente !
A habilidade arte e bom gosto da esposa deste camarada,
também ela presente na foto

Nem é preciso dizer que o vinho correu a rodos e a cerveja fresquinha escorregou pelas gargantas sedentas... Nem a fruta e doces deixaram de comparecer. O café e digestivos foram o merecido epílogo do lauto repasto.


Eis o Manel Magalhães em plena reportagem, registando o nosso anfitrião, Carlos A. Silva, a confraternizar com o simpático grupo de estudantes cabo-verdianos  que irá animar o resto da tarde, conforme veremos no próximo capítulo...
(começou aqui)
 (continua aqui)

Sem comentários:

Enviar um comentário