quarta-feira, 31 de outubro de 2012

PEDRO DIAS prepara novo livro que inclui a nossa "Briosa"

Foi com imenso gosto que recebemos um e-mail de Manuel Pedro Dias, ex-companheiro de armas e consagrado autor de livros sobre a guerra em Moçambique (alguns deles já  citados no nosso Blog, até com reprodução de algumas páginas), comunicando a sua intenção de publicar mais uma obra, desta feita sobre as Companhias independentes que actuaram naquela ex-colónia, como é o caso, obviamente, da CCAV2415. Mas nada melhor que as suas próprias palavras, pelo que vamos cometer a inconfidência (autorizada...) de transcrever parcialmente o referido e-mail, chamando especial atenção ao desafio nele contido que tomamos a liberdade de sublinhar:

Meus Caros Amigos
Primeiro que tudo a apresentação: Sou Manuel Pedro Dias – autor de alguns livros sobre a Guerra do Ultramar em Moçambique, alguns já publicitados no vosso blog.
Pelo sim, pelo não, aí vai o link da minha página inserido na TW  http://ultramar.terraweb.biz/06livros_ManuelPedroDias.htm
  (...)

Posto isto e em jeito de “mensagem relâmpago” breves questões:
1.º  Para vos dizer que sou um “navegador”, mais ou menos assíduo do vosso Blog, por achá-lo de muito bom conteúdo, quer escrito, quer visual, Parabéns aos que persistem em não deixar “apagar a fogueira”. Eu sei, por experiência própria quão difícil é encontrar as tais “achas” que o Santa (?) fala para manter a “labareda  sempre incandescente”. Força!.
2.º Estou a trabalhar num novo projecto que será feito por várias fases, vamos ver se a “Kokuanice" não me ataca forte para concretizá-los. A primeira fase, já adiantada, trata-se da publicação de um livro com todas as Companhias Independentes que operaram no Niassa, para cada uma delas dedico duas páginas. Onde transcrevo breves resumos extraídos da História da Unidade, ou então algum relato, digno de ser contado, por elementos das referidas Unidades. E também algumas fotografias. 
 (...)
Em anexo envio também o que extraí da vossa história da Unidade no Arquivo Histórico Militar, (ainda não corrigi as eventuais gralhas  e pontuação). Se algum de vós se quiser habilitar a escrever algum episódio que tenha marcado a vossa 2415, será bem aceite.
 Por agora vou terminar já que me estou a contradizer, quando no inicio disse que era uma mensagem relâmpago.
Um abraço para Todos
Manuel Pedro Dias
  
É claro que o elogio ao Blog, vindo de quem vem, nos deixa contentes, embora reconhecendo o exagero simpático... Obrigado!
 E finalizamos  reproduzindo o resumo da "História da Unidade" que nos enviou e teve o trabalho de "desencantar" nas estantes poeirentas do Arquivo Histórico (ressalvamos a inexactidão do número de companheiros mortos aí referida, já que foram nove e não sete; provavelmente não foram contados os dois que pereceram no naufrágio de Mopeia).
Desejamos o maior sucesso na obra a que meteu ombros. Bem haja!

A "equipa" do BLOG                

(clique acima para ler)

terça-feira, 30 de outubro de 2012

"In memoriam" 30-10-1969

Lembramos os companheiros

JOAQUIM FRANCISCO RODRIGUES DA SILVA
e
AVELINO AUGUSTO CORADO

Vítimas de uma mina na picada entre T. Valadim e Luatize.
Neste trágico acontecimento, já várias vezes referido neste Blog, morreu ainda um enfermeiro do Batalhão então sediado em T. Valadim, e houve vários feridos muito graves, entre eles os nossos João Vaz dos Santos, que viria a falecerno dia 6 do mês seguinte, e o radio-telegrafista MOREIRA que continua entre nós e que saudamos com muito gosto !

sábado, 27 de outubro de 2012

A DEVIDA HOMENAGEM - 2

Por:  F. Santa


Depois de homenagear aquela que foi a minha madrinha de guerra, parecia mal não homenagear também aquela que não sendo minha madrinha de guerra, foi talvez o meu Anjo da Guarda quando estive internado no hospital em L. Marques (1969). Onde quer que estejas (espero que estejas ainda entre nós), quero que saibas que também não te esqueci. Tu, Fernanda (ou Nanda como te tratava), foste para mim mais que uma amiga. Foste também uma irmã. Dia sim dia não ias  ver-me e levavas-me comida. E que comida! Conversávamos, líamos o jornal juntos, contávamos histórias, íamos até ao jardim. Não esquecerei nunca a amizade que me dedicaste. De repente, embarquei para Lisboa sem me poder despedir de ti, fiquei sem a tua direcção e o tempo passou e nos desligou. Quem sabe se estas minhas palavras poderão chegar até ti através desta magia que é a internet! Tudo é possível. Bem hajas por todo o carinho que me deste.


          Um abraço.      SANTA.


sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Duas "guerras"...

 Por:  F. Santa
 



           Aqui está o Dias de Avintes em boa companhia!
                


     A seguir, o Ex. Furriel Paulo e o seu morteiro:



 E mais duas para as quais se esperam comentários...



  

 Julgando ser do interesse de todos nós que sofremos na pele os horrores da guerra, e principalmente aqueles que ainda hoje são portadores de perturbação psicológica crónica resultante da exposição a factores traumáticos de stress durante mesma, a "RNA" - rede de apoio aos militares e ex-militares Portugueses informa:

("clique" para ampliar)

Esperando que este assunto seja útil para alguns dos nossos camaradas, despeço-me com amizade:      SANTA

 

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

LIONE : os desafios


O companheiro Nuno Vivaldo, que tantas vezes velou pela nossa saúde em África, veio partilhar connosco estas magníficas imagens da actividade da nossa Briosa por terras de Lione.
Para nós que lá vivemos, dispensam legendas...  


  Reparem no garbo das equipas, tão bem alinhadas no "Estádio do Lione"! Não sei se eram ambas da "casa", ou se se trata de um torneio "regional" (com o Catur ou Massangulo, já que devem ter sido os únicos visitantes que tivemos...)

E, a seguir, a imponência das Berliets, tratadas com o carinho da equipa da  ferrugem e manobradas com grande perícia (tantas vezes com grande arrojo! ) pelos homens do volante:





Obrigado, amigo !



quinta-feira, 11 de outubro de 2012

"In memoriam" 11-10-1969

É dia de lembrar o companheiro
 HENRIQUE RODRIGUES
 caído na emboscada à coluna para Valadim, episódio já amplamente documentado no nosso Blog
(clique para rever o texto e o vídeo)

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

A DEVIDA HOMENAGEM

Por: F. Santa



No início do nosso blog, já tinha falado nas madrinhas de guerra. Hoje fala-se muito pouco das madrinhas de guerra e do papel que elas desempenharam, mas depois deste tempo todo, queria prestar homenagem àquela que foi a minha madrinha de guerra. 
O primeiro contacto foi por carta quando estava a dar recruta em Castelo Branco. Depois conheci-te pessoalmente quando formava companhia em Cavalaria 7. Ofereceste-me esta foto em 9 – 5 – 1968. Eras tu uma jovem e eu também um jovem que estava prestes a embarcar para a guerra.
Foste uma madrinha muito especial. Foste aquilo que se pode chamar uma madrinha de guerra a sério sem qualquer outra intenção. Quando estava no mato, estiveste sempre em contacto comigo, através de muitas cartas que escreveste. No hospital, tantos telefonemas fizeste. Deste-me sempre palavras de conforto de ânimo e de amizade. Nunca te esquecestes de mim. Dores. Agora, que vai fazer três anos que partiste, onde quer que estejas que estejas em paz, que eu nunca te esquecerei por tudo aquilo que me fizeste. Regressei. Entraste logo para a minha família ao seres madrinha de baptismo da minha filha e depois madrinha de casamento. Hoje, com as tuas irmãs, a família continua.
Dora (era assim que eu a tratava) quardo e guardarei sempre no meu coração a tua imagem como se fosses minha irmã.
 Se calhar houve muitas outras “Doras”, que neste país desempenharam papel idêntico. Para elas também a mesma gratidão. Se calhar, para mim e para muitos, foi das poucas coisas boas que a guerra nos deu. Para todas um BEM HAJA.


E

Esta foto... não sei onde foi tirada e em que circunstâncias. Com certeza, alguém deve saber. Como de costume... espero que alguém se pronuncie!


  Camaradas. Vejo que o nosso blog se está assemelhar (isto em sentido figurado) a uma Lareira. Acende-se. Depois dela acesa, as cavacas vão queimando, queimando, e se não for alimentada ela vai-se apagando, apagando, até que se apaga por completo ficando só as cinzas. É o que estou a sentir neste momento. Já começa a não haver cavacas que a mantenham acesa. Isto é: o nosso blog está apagar-se. Só vão ficar as cinzas como recordação. Tanta coisa havia para contar. Tantas fotos que existem que poderiam aqui ser reveladas. Mas nada! Contra a falta de vontade não existe nada a fazer. Sendo assim, fico ainda com uma réstia de esperança que alguém ouça o meu apelo e que arranje mais algumas cavacas para que a lareira não se apague.



Quem se lembra destas pulseirinhas feitas em missanga pelas mãos habilidosas das jovens moçambicanas? Foi só fazer um pequeno desenho do meu nome num pedaço de papel e aí está! Esta foi feita em Lione por uma delas.


                                   

      Endereço e localização do Museu da Guerra do Ultramar em Famalicão.


                                               Um abraço. SANTA

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

RECENSEAMENTO

Por:  F. Santa  


Mais uma vez dando volta a uns papéis, deparei-me com este documento que julgava já ter desaparecido! É mais uma recordação e o relembrar o passado. Felizmente que a juventude de agora já está livre de receber tal coisa! Pelo menos ficam a saber como éramos informados do nosso apuramento (ou não) para o serviço Militar.


E esta é mais uma que fica à espera de alguém que faça algum comentário sobre ela...
 

Mais um  abraço para todos. SANTA.