* * * * Sábado, 20 de Maio ==> Convívio anual da "BRIOSA" 2415 em Montemor-o-Velho * * * *

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

A INSTRUÇÃO NOCTURNA

Por:  F. Santa   

As fotos seguintes são mais uma descoberta, desta vez não no álbum das recordações mas sim numa pequena caixa bem guardada no fundo de uma gaveta. Elas não são mais que uma amostra do início do tempo militar que se ia seguir. Não passava ainda de uma espécie de brincadeira aos militares.

Estas cenas passaram-se em Santarém no anexo da E. Prática de Cavalaria onde iniciei a minha recruta. Como podem ver pelas nossas caras,  era a preparação para mais uma instrução nocturna, lá para as bandas do “Zé Morto”, assim se chamava o local da instrução. Já viram bem os rostos? Lá se foi a graxa das botas! Depois de tantos anos, o que era o Zé Morto desapareceu dando lugar a um bairro. As figueiras que havia por lá, e que tantos figos deram para nós, já não existem. Parece que ainda estou a ver um dos donos, de lanterna a petróleo na mão e com um pau na outra, a correr atrás de nós, mas quando viu que éramos militares, deu autorização para comer o que quiséssemos mas lá foi dizendo: Mas não abusem!

 __________________





O seu browser pode não suportar a apresentação desta imagem.
Na foto de cima estão os nossos camaradas Vilas Boas e Morgado a bordo do Vera Cruz. Na foto seguinte é uma patrulha de rotina em volta do aldeamento que ficava perto da nossa companhia (LIONE). Na frente pode ver-se o Furr. Morgado, a meio (de óculos) sou eu e o penúltimo é o Furr. Miranda.


 _________________________________________


                     “A PISTOLA WALTER”

O seu browser pode não suportar a apresentação desta imagem.

Esta pistola entrou ao serviço no Exército Português em 1961, tendo sido logo utilizada pelas Tropas Portuguesas em combate na guerra Colonial.
O seu peso era de 800 gramas, comprimento 216 mm, calibre 9 mm, alcance 50 metros. Sistema de carregamento, carregador. 


                                                 SANTA

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Lourenço Marques e não só…

Por:  F.Santa


Esta foto foi tirada na antiga Lourenço Marques. É um grupo de camaradas que estavam internados no Hospital Militar. As senhoras que se vêem são  do M. N. Feminino (...  as das esferográficas e dos aerogramas). Foi-nos proporcionada uma visita a esta empresa (se bem me lembro, era de laticínios) em Agosto de 69. Como o nosso site é visto por tanta gente, fico na esperança de alguém se rever aqui e diga: Olá!   Claro, o da bolinha sou eu!


A GUERRA, como disse no texto anterior, não acabou. E não acabou porque os casos resultantes dela sucedem-se a cada dia que passa. O que vos conto agora é de uma jovem de 26 anos, com o curso de enfermagem, que largou tudo o que tinha de bom na vida para atender o pai que sofre de Perturbação Pós – Stress Traumático. Depois de a mãe ter deixado o seu pai, de seguida foram os irmãos. Ficou ela sozinha a tomar conta dele. O pai precisa de cuidados médicos e medicamentos, mas não tem nem médico nem medicamentos, pois não tem dinheiro. Segundo sei, os médicos confirmam que ele sofre de doença que contraiu na guerra, mas os médicos militares não aceitam tal facto, dizendo que não tem nada a ver com a guerra em que ele andou nem com o serviço militar. Que comentários fazer?
Caros camaradas e amigos. Esta jovem está a passar ao lado da sua mocidade o que a leva a dizer que não é feliz. Os melhores anos da vida dela estão a ser passados ao lado do pai, a fazer aquilo que o Estado Português tinha mais que obrigação de fazer, para que esta jovem pudesse viver a sua vida em paz e com a alegria que a sua juventude merece. Mais inquietante ainda, é que algumas pessoas dizem que ela é filha de um maluco que andou na guerra e que é maluca também. Não tenho palavras para definir estas pessoas. Ajudem-me a encontrá-las! Esta jovem que devia merecer carinho pela sua atitude, pois não desprezou o seu pai, é vista por alguns como sendo doida também.
Como diz o meu colega e amigo Bastos, Ela também é vítima da Guerra Colonial.
Ainda não foi há muito tempo, que o nosso Presidente da República disse: “A dívida de gratidão e o preito de homenagem para com aqueles que ficaram deficientes ao serviço da nação, impõe prioridade no tratamento que lhes deve ser dispensado”. Quem é que está surdo? Quem é que faz de orelhas moucas? E também já houve alguém do governo que disse: “Os combatentes da guerra do Ultramar e os seus deficientes, são a prioridade das prioridades”. A que conclusão é que chegamos? Haja respeito por todos nós, deficientes ou não deficientes, mas mais respeito por aqueles que sofreram e que hoje transportam essas marcas do seu sofrimento no corpo sendo atormentadas por elas, e por simpatia o seu agregado familiar. E são tantos ainda!
Que quem souber de mais casos destes, os divulgue, para que esta geração tome conhecimento, e não fiquem escondidos como parece ser o desejo de alguns. Lamento também aqueles que dizem que os que sofrem da Perturbação Pós – Stress Traumático, são os fracos. Felizmente que os seus filhos não passaram ou não vão passar por aquilo que nós passámos.
Que esta jovem consiga ainda passar bons momentos na sua vida e seja feliz. BEM MERECE.      Revoltado, eu? Que vos parece?

                        Um grande abraço do vosso camarada e amigo SANTA.

 .

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

PARA QUE TODOS SAIBAM

Por:   F. Santa   


Que me desculpe o meu camarada e amigo Bastos, mas ao ver esta fotografia uma lágrima rolou pelo meu rosto abaixo. Não se pode ficar indiferente. O Bastos é o que está, na foto, de telemóvel em punho. Andou como nós em Moçambique lá par os lados de Cabo Delgado e Mueda, e é amputado. É meu camarada e grande amigo. Estamos juntos na A.D. F. Armadas (Delegação de Coimbra). Desculpa Bastos, não sei escrever tão bem como tu... mas não faz mal.
Para que todos saibam que a guerra não acabou. Este Homem, o Dentinho - nome pelo qual é conhecido - mora nos arredores de Coimbra, e é o exemplo profundo de que a guerra não acabou. Deitado na sua cama, (na posição em que nos mostra esta foto), este camarada nosso está assim há mais de quarenta e dois anos. Do seu corpo só a cabeça mexe. É duro ler estas palavras, mas é a realidade. Tudo à Pátria deu e da Pátria nada recebeu, e como ele há mais. Enquanto tivermos força, que as nossas vozes não se calem que a nossa indignação seja ouvida por aqueles (os nossos governantes) que continuam surdos e calados, que a este homem a quem nada  deram de direito não queiram agora, também, tirar-lhe os dias que lhe restam, a ele e a todos os outros nossos camaradas que sofrem na pele as agruras da guerra. Força, camarada Dentinho, tens sabido viver, resististe até aqui, vais resistir até ao fim. Que o ano que acaba de entrar te seja mais favorável e alivie a tua dor.
             Que este texto sirva para reflexão de todos, principalmente para os mais jovens que tão puco sabem da guerra do Ultramar. Parece que nada aconteceu!

                                              Do Santa, com um abraço.

quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

O DESPORTO E A FICÇÃO

Por : F. Santa

  



1ª  Foto: No Campo do Futebol Clube do Lione as equipas estão formadas frente à tribuna para o início de mais uma partida. Vejam a postura do nossos camaradas Vilas Boas e Morgado. Lá aprumo havia, agora futebol era tudo à molhada! Quem era a outra equipa?
A 2ª foto, é pura ficção. O Morgado piloto dos FIAT? Isso é que era bom!


*   *   *   *   *   *   *   *   *   *   *   *   *   *   *   *   *  *  *  *

NOVO ANO

Não podia deixar de escrever algumas palavras sobre o novo ano.
Foi uma correria louca para o último dia do ano. A crise até parecia não existir. Festa e mais festa para num simples minuto tudo já ter passado. Veio depois a semana seguinte e eis que aí está novamente a crise. Isto parece cómico: Será que, se houvesse festas todas as semanas havia crise? É necessário que sejamos lúcidos, conscientes que este mundo que habitamos está longe de ser ideal, para que a gente se possa acomodar e viver de uma forma tão “ tradicional “ com todas estas festas com as consequências que no momento actual (que o nosso país atravessa) elas nos trazem devido aos seus gastos. Há alegria. É verdade. E depois? Quanto a mim, a vida está a perder qualidade. Isto é que é a realidade. Eu sou pela máxima: Não se pode gastar mais do que se tem (é a minha opinião). O resultado está à vista.
No fim de tudo o que é que eu desejo para todos? Um Ano 2012 cheio de saúde e muita paz e que os nossos governantes tenham mais compaixão de todos nós e que os euros que restam, sejam distribuídos de baixo para cima, pois se eles acabarem ao meio os lá de cima já estão bem servidos...
        

 O seu browser pode não suportar a apresentação desta imagem.

 VIVA O ANO 2012 
 
 Um abraço do vosso camarada e amigo 
Santa.


terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Parabéns para o mancebo Moreira!!

Hoje é dia de aniversário do nosso homem do posto de rádio, o ex-1ºcabo de transmissões, António Nelson Mendonça Moreira.    Por isso mesmo, aqui lhe deixo um abraço de parabéns com o desejo de que tenha  um  FELIZ ANIVERSÁRIO .                O Moreira,  além de um grande amigo, talvez um dos principais, estimo-o como se fosse um familiar próximo.   Na nossa campanha de África foi um excelente companheiro, sempre disponivel e solidário. Foi, durante aquele periodo estranho e  dificil, o amigo indispensável  que é obrigatório ter. Eu tive essa sorte.                                 Felizmente,  nos dias de hoje, continuamos a manter contacto assiduo.  Também fazemos questão disso, porque vale a pena. Não é a distância que nos  faz esquecer e deixar cair uma amizade tão fortemente construida.  Padrinho Moreira continua a "contar muitos, carago!".  A.Castro e familia.