terça-feira, 17 de maio de 2011

Lione, hoje...

O nosso visitante José Gil teve a gentileza de me remeter o conteúdo que transcrevo a seguir, na íntegra. Não vou comentar, apenas quero agradecer a gentileza. E pedir desculpa pelo atraso na publicação. Com certeza o amigo Castro terá uma opinião sobre o assunto...


Boa tarde
Um antigo militar que pertenceu à c. caç2728 esteve em Lione no  passado mês de abril e tirou bastantes fotografias, como eu sou um visitante do v/site e como o ano passado um ex. militar da v.companhia também lá esteve ( desde já lhe quero agradecer pela disponibilidade que teve em fornecer a sua magnífica reportagem), como ele dizia que nada restava do edifício principal envio esta foto pois penso que aquilo que se vê, faz parte do tal edifício, anexo mais duas fotos.
Um abraço para todos os ex.militares presentes no almoço 

nesta fotografia aparece o escombro de uma parte que deduzo que pertencia ao edifício principal

entrada enfermaria





 .

1 comentário:

  1. Antes de mais agradeço ao José Gil as amáveis palavras que me dirigiu e aproveitar para lhe dizer que foi, para mim, uma enorme satisfação poder partilhar com todos aquilo que os meus olhos viram por aquelas longinquas paragens e que continuam a fazer parte das nossas memórias.
    Sobre o pormenor do escombro visto na foto e que deduz ter pertencido ao edificio principal do aquartelamento de Lione, a minha opinião é a seguinte:
    - Já disse, anteriormente, naquilo a que chama reportagem "Lione-Chala", ter sido uma enormissima surpresa constatar no terreno o desaparecimento quase total do aquartelamento. Só mesmo restam as paredes em ruinas da caserna destelhada que nos serviu de abrigo durante os 9 meses que lá permanecemos, bem como o bloco de cimento, ainda com alguns dizeres em tinta já sumida, do monumento da nossa Companhia mas sem o emblema que lhe estava cravado, pois este simplesmente desapareceu.
    Além do mais há que entender que em Agosto de 2010, data da minha visita ao local, o capim era denso e superior a 2 mt. de altura, que impossibilitava olhar em redor.Isso obrigou-me a contratar dois capinadores e aceitar a ajuda da criançada na procura de vestigios que, como disse, não encontrei.
    Verifica-se agora, defacto, pela foto recente tirada em Abril (há 1 mês)pelo companheiro da CCaç.2728 que, afinal, ainda existe mais um pequeno escombro que pensa poder fazer parte do edificio principal.
    A descoberta deste "achado" deve-se, unicamente, ao capim ainda deitar pouca altura e daí o campo de visão ser total.
    Mas, em principio, tomando como referencia a árvore que se vê na foto (zona da "porta de armas"), julgo não poder ser este "escombro" restos do edificio principal pela unica razão de que esse edificio localizava-se um pouco mais abaixo da dita árvore e, na foto, vê-se precisamente o contrário.
    Inclino-me mais para que, eventualmente, possa ser resto ou da nossa cantina ou refeitório.
    - Sobre a foto que tb. nos mostra e que chama "entrada enfermaria", garanto-lhe firmemente que essa "ruina", dentro do aquartelamento, não existe.
    Aquilo que foi a enfermaria da CCav.2415 ainda lá está no extremo da caserna, totalmente destruida e destelhada.
    - Sabemos que a seguir a nós passaram por Lione a CArt.2387, a CCaç.2728 e a CCaç.3571 que construiram vários edificios de alvenaria e que também, simplesmente, desapareceram o que mais adensa o mistério!
    Será que alguém um dia irá dar uma explicação razoável?

    ResponderEliminar