* * * * Sábado, 20 de Maio ==> Convívio anual da "BRIOSA" 2415 em Montemor-o-Velho * * * *

domingo, 28 de março de 2010

Bolas

 Jornal  BOLA .............   


Metendo as mãos, uma vez mais, no baú das recordações, desta vez tirei de lá esta curiosa foto datada de Set.1968, mostrando o vosso amigo, à porta do edificio em Lione que englobava as Transmissões o Departamento dos Assuntos Top Secret e ainda os respectivos Lavabos, lendo o jornal A BOLA, desde sempre conhecido como a "biblia".
Lembro-me da avidez com que lia os vários exemplares após a sua recepção, mesmo atrazados várias semanas. Vinham junto com os habituais "mimos" que meus pais e irmã enviavam em pequenas encomendas através do MNF (Movimento Nacional Feminino) dirigido, se bem me lembro, pela sua principal figura de enorme benemerência do regime, Exma Sra. Dona Supico Pinto! Coitada, que descanse em paz! Há ainda a dizer que, contas feitas após a chegada a casa concluímos que, em cada três encomendas despachadas, só duas me chegaram às mãos. Nada mau, em tempos de guerra! Aconselho até que os CTT ponham os olhos em tamanha eficiência e seriedade!
Bom, mas o jornal era lido vezes sem conta e de seguida passava pela mão de todos os amantes do futebol que, assim, matavam as saudades dos seus clubes.  Era, a bem dizer, mais um elo que nos ligava a casa de onde tinhamos saído sem perceber bem a razão.
Se é que ainda vou a tempo, à  A BOLA agradeço todos os bons momentos que sempre me proporcionou e que tão bem nos faziam, lá tão longe.


e a bola para jogar


Para nós a bola não tinha segredos e sempre recusámos  ser desportistas de bancada. Antes pelo contrário, vê-se bem como éramos exímeos atletas e, além do mais, eclécticos, pois praticávamos qualquer modalidade. Por exemplo, a foto mostra-nos a praticar andebol.
Olhando bem, mais parece um andebol "soft"  algo parecido com "ballet", sem agressividade,  pois esta era toda descarregada nas emboscadas, nas operações e no Snack-Bar do Azinha!  Repare-se nos "gestos" e nos "passes" (mesmo sem ser em pontas) do Cuba, do Vale, do Mil e Um, do Moreira e aqui do vosso amigo de costas!!


Mas, claro, o desporto-rei imperava. Aqui está mais uma prova em como a dedicação era total. Além do campeonato "interno" em que os pelotões jogavam entre eles  repetidas vezes, quando em vez, recebiamos a visita de uma ou outra companhia das proximidades de Lione (se bem me lembro isso aconteceu por três vezes).  
Nesta foto vê-se no celebérrimo Estádio de Lione a "Equipa de Todos Nós" (os melhores de todos os pelotões. Quem era o selecionador?) devidamente perfilados no relvado antes do incio do jogo contra, se bem me lembro, a equipa duma Companhia do Catur. Alguém  confirma e já agora o resultado? 
Á Briosa equipa presto-lhes homenagem, por terem sido sempre uns "gajos porreiros": Rações, Lisboa, Sintra, Cabrita, Vale, Mil e Um,  Marecos......  
Que me perdoem todos os outros mas já não consigo lembrar os seus nomes. 
Mas há também uma curiosidade, esta foto prova que este jogo foi antes da emboscada do Caracol, pois o 8º "player" a contar do nosso "keeper" ainda jogava futebol que se fartava!
Acreditem que tenho saudades vossas. 
Para todos um abraço e até sempre.  


quinta-feira, 25 de março de 2010

Por: F. Santa   



        Mais uma data festiva que o nosso calendário nos dá. Desta vez a Páscoa. Sendo assim, desejo a todos os camaradas da 2415 uma feliz e Santa Páscoa, acima de tudo com amor e felicidade em todo o seio familiar, bem como a todos os outros camaradas em geral. Este meu desejo também é extensivo aos familiares dos nossos camaradas que já partiram. Que as amêndoas vos adocem mais a vossa vida! 
          Este é o desejo do vosso camarada SANTA.                               

Não se esqueçam do nosso convívio! Não deixem para último as vossas inscrições. Elas terminam a 16 de Abril!!! Quanto ao site, já estou cansado de dizer á malta para participar. Quando não há vontade, paciência! Pelo menos compareçam no nosso convívio. É uma prova de que, pelo menos, ainda existe um pouco de camaradagem e amizade entre nós. Não me deixem ficar desiludido.


                                                                                                                                        
                                                                                                                                                                                                                     


sexta-feira, 19 de março de 2010

DIVAGANDO

Por: F. Santa    

   Aproveitando estes dias chuvosos, tiro um pouco de tempo para divagar.
Tenho ao longo do tempo falado com outros camaradas de guerra, e as queixas são sempre as mesmas: As dificuldades da vida do dia a dia e a saúde. Todos nós herdamos da guerra tudo o que poderia ser de pior, poucas coisas herdamos que ainda hoje possamos recordar com alegria, e de tudo o que nos aconteceu na guerra não podemos esquecer aquela famosa injecção (dose de cavalo) que levamos no pescoço e que nos deixou marcas para toda a vida. Era a lama e a chuva que o nosso corpo enxugava, era a alimentação e ainda a água que nos fez tanto mal, eram as noites mal dormidas e ainda a angústia que transportava-mos resultante do afastamento da família e o trauma que nos causava a própria guerra.
   Camaradas. A nossa velhice não vai ser fácil, para ela ser um pouco melhor temos que enveredar pelo caminho certo, isto é: Viver cada dia com alegria, boa disposição e pensamentos positivos com uma meta para alcançar que é morrermos velhinhos!!! Nem sequer podemos pensar nas (esmolas) reformas que nos dão ou nos vão dar, essas são para esquecer, pois os nossos governantes, e não só, é que têm direito a elas, nós que fomos defender a Pátria com o nosso sangue, simplesmente somos ignorados. Eu tento viver o dia a dia com as maiores das alegrias e sempre que posso dou o meu passeio e de preferência junto ao mar. A Natureza ajuda-me a ver as coisas com outros olhos. Vejamos: Hoje Domingo. Caminho neste momento através da floresta junto ao mar. Ao meu nariz vem o cheiro dos pinheiros e ao mesmo tempo ouço o cantar dos pássaros, nesta altura vejo passar na minha frente um Esquilo com a sua cauda bem no ar mostrando toda a sua elegância, e lá vai ele desaparecendo pelo meio da floresta, agora só o cantar dos pássaros e o som do mar ao longe, me faziam companhia. A floresta termina dando lugar ás dunas, a brisa do mar e o seu ruído estão cada vez mais perto, venço a subida das dunas e eis que fico a olhar aquela imensidão de água, avancei pela areia e fui ao encontro das ondas, neste momento era eu a praia e o mar. As ondas como querendo brincar comigo vêm uma a uma espraiar a meus pés, as andorinhas do mar com os seus bicos pontiagudos passeiam pela espuma deixada pelas ondas apanhando as pulgas do mar. Agora deitado na areia fixando o céu, vejo passar as gaivotas ao sabor do vento, o seu peito branco como a neve batida pelo sol espelham nos meus olhos. Voltando a olhar o mar penso: Quanta vida lá existe! Mais perto, uma traineira que acaba de regressar da faina, atrás delas as gaivotas vem dançando ao vento, sinal que traz pescado em abundância. Olhando para o horizonte nada mais se avista, é como se fosse o infinito, fixo novamente  o azul do céu, e duas nuvens passam devagar como dois flocos de algodão. A tarde chegava ao fim, o sol já num tom avermelhado e com uma pequena nuvem a servir-lhe de travesseiro preparava-se para se ir deitar, era a noite que estava a chegar, era hora de voltar, olho mais uma vez o céu, a primeira coisa que vejo é o planeta Vénus a que muitos chamam a “Estrela dos Pastores”. A noite continua a deixar cair  seu manto deixando ver aqueles pontinhos luminosos que como por magia se acendem, são as estrelas! Estava agora a chegar ao ponto de onde parti, no meu cérebro as imagens ficaram registadas como se fossem numa máquina digital. Era a natureza em todo o seu esplendor! É isto que nos faz bem, viver a Natureza, é ela que nos dá paz de espírito e seguir em frente. Experimentem!
   Eu sei que tudo isto pode parecer uma burrice da minha parte, mas o que é certo é que eu dou-me bem com esta maneira de ser e alguns amigos meus já experimentaram e deram-se bem, espero não maçar ninguém com as minhas teorias, mas é assim que eu penso.
  Cá fico à espera das vossas respostas para o almoço de convívio e mais textos para o nosso site. 
      Um abraço para todos .
                         Santa                                                                             
                            

quinta-feira, 11 de março de 2010

Ainda VILA CABRAL, e um "episódio inédito"...

Em complemento das imagens do GOOGLE aqui já mostradas, parece-me oportuno este vídeo de 2003, publicado no YOUTUBE  como sendo do " ex-militar Lucio A.M. Alves", a quem ficamos gratos por este trabalho, em que reconhecemos algumas das ruas que pisámos há quatro décadas...



Lembro-me que foi em Vila Cabral que, estando nós a preparar a ida para "intervenção" em Luatize, levei um "puxão de orelhas" (desta vez ainda não deu porrada...)  de um BIG do Sector (seria Major? só recordo que chefiava uma Repartição do QG ), a cujo gabinete fui, como Comandante Interino da Briosa, reclamar da exiguidade dos meios que nos eram concedidos:  
" O nosso alferes não veio para cá para reclamar, mas para cumprir. Para já, tire as mãos de cima da minha mesa e ponha-se em sentido !
 E não me restou alternativa senão destroçar... 


(Alguém me explique por que é que os subordinados (?!) nos tratavam por "meu", e os superiores por "nosso"...)

.

sábado, 6 de março de 2010

Mobilização Geral !!!

Despedida... no HMLM

(Por: F.Santa)



Este, era o banquete de despedida. Mas que despedida? Perguntam vocês. Este banquete era realizado no Hospital de L. Marques quando um dos nossos camaradas era evacuado para a Metrópole. A malta juntava-se e mandava comprar frango de churrasco, era a festa de despedida do hospital. Dali passava a ser uma incógnita o voltarmo-nos a encontrar. Na foto já não me lembro a quem era dedicada esta festa de despedida
Em seguida mostro-vos o Cartão de Desembarque de que fui portador quando fui evacuado para Lisboa no navio Angola com o respectivo carimbo da PIDE não fosse eu um conspirador contra o Estado! Durante a viagem tive várias vezes a visita deles, ainda hoje não sei porquê.

Não sei o que se passa. Mas noto a ausência do camarada Paulo, Soares, Vivaldo e de outros. É talvez por causa do frio! Pode ser que a Primavera nos traga mais camaradas para a nossa companhia. Tenho reparado também que no nosso “Site” vem aparecendo dois quadradinhos a meio e que carregando neles aparecem páginas em branco! Peço ao camarada Soares (que é o Técnico Informático) deste nosso cantinho, que veja o que se passa. A partir de agora, estejam atentos ao correio!
                    
                        Por hoje é tudo, um abraço do Santa.